Pular para o conteúdo principal

Você sabe fazer uma Resenha? Veja dicas e um modelo.

Você sabe fazer uma Resenha? Veja as dicas e o modelo...

Para alguns alunos,  resenha e pesadelo são palavras sinônimas!
Lembro que uma vez, uma amiga me ligou apavorada pedindo ajuda para fazer "essa tal de resenha" que ela "nem sabia para que lado ia"... E foram essas as palavras dela!
E realmente, isso acontece muito!
Geralmente, apenas recebemos a solicitação de fazer esse tipo de trabalho sem uma orientação mais precisa, pois, os professores da graduação acreditam - ou querem acreditar -  que a disciplina de Metodologia Científica (aquela que nos ensina a fazer os trabalhos científicos) realmente esclarece tudo...que engano!
Então, quando os alunos entregam algo parecido com um resumo, fazendo de conta ser uma resenha, ouve-se os mais variados comentários nada construtivos... Vocês já perceberam algo parecido? Mas, deixando a conversa de lado, vamos entender o que é uma resenha...


Salomon (1991, p. 134), destaca que a resenha é importante porque seu formato resumido se destaca em meio a grande quantidade de produção bibliográfica, pois ela auxilia na atualização de informações exatamente por dar uma visão geral não apenas da obra, mas, também do autor , do contexto da obra etc.(você vai já entender por que). Produzindo uma resenha, você também será trabalhado na elaboração de projetos e monografia, por esse tipo de trabalho impor a necessidade de sintetizar e emitir parecer.


LEMBRE-SE:

  • Resenha é uma síntese! É uma análise resumida de uma produção científica que pode, ou não, ser acompanhada de uma apreciação (na maioria dos casos é solicitada a apreciação, ou seja, seu parecer ao final do trabalho).
  • Existe a Resenha Informativa (também conhecida como resumo informativo) e a Resenha Crítica (envolve a exposição de julgamento), e é essa que veremos aqui.

ENTÃO SAIBA QUE:

Na resenha (crítica) você deve elaborar um julgamento sobre a obra. Para isso, você deve ter conhecimento de causa! Ou seja, deve conhecer o assunto do texto a ser resenhado, para emitir um parecer com autonomia e principalmente criticidade.

COMO FAZER?




DICA: Antes de fazer uma resenha crítica, busque artigos e textos de livros e da rede, sobre o assunto, e informações do próprio autor. Conheça o autor, entenda o que ele pensa, o que ele discute, sua experiência no assunto e sobre o que outros autores pensam a respeito (se concordam ou discordam da idéia abordada no texto principal), para que assim, você possa construir o seu julgamento. Tenha embasamento teórico!

Você deve criticar sobre: a importância da obra no contexto histórico, social, cultural, filosófico e, também, pode fazer uma crítica sobre o conteúdo da obra, julgando-o.
Gonçalves (2003, p.44) dá uma receita que eu considero bem interessante sobre a estrutura da resenha:

  • Referência Bibliográfica (consta normalmente no início do trabalho);
  • Informações sobre o autor (em que circunstâncias ele fez o estudo - quando, onde, porquê...);
  • Conteúdo da obra: Inicie com um rascunho do resumo das principais idéias: O que diz a obra?(ANOTE). Tem alguma característica especial? (ANOTE). Quais conhecimentos prévios essa obra exige para que seja melhor compreendida? (ANOTE). Que teoria serviu de referência?Qual método utilizado?
  • Responda a essas perguntas, faça o "pacotão" e depois transforme em um texto coerente e CIENTÍFICO (já falei sobre isso em outras dicas de trabalhos acadêmicos).
  • Conclusão do autor: registre, se houver, uma conclusão do autor.
  • AGORA VEM A APRECIAÇÃO, OU SEJA O JULGAMENTO. Leia o texto fazendo estas      perguntas: Qual a contribuição da obra?As idéias são criativas?Desenvolve novos conhecimentos? Propõe algo novo?O estilo é claro ou não? A linguagem é rebuscada, de fácil compreensão? O texto é objetivo, coerente, ou não? Sobre a forma (lógica, sistematizada, original). Contexto da obra (situe a obra no contexto filosófico e científico onde ela foi escrita). A quem a obra é dirigida (público)? Tem um bom alcance?

TENHA SEMPRE EM MENTE...

1. Resenha é o comentário de uma obra;
2. O texto de uma resenha é feita de forma contínua, ou seja, sem parágrafos (com excessão do inicial, é óbvio);
3. Destaque a idéia central do autor e compreenda suas argumentações.

Essas são apenas alguma dicas que eu utilizo e que dão certo na elaboração de uma resenha.
Espero ter ajudado!

Abaixo um exemplo de resenha real.


 
Obrigado pela visita, volte sempre.
 pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…