Pular para o conteúdo principal

Provas finais estão chegando, agora é a hora de controlar a ansiedade e passar de ano



Provas finais estão chegando, agora é a hora de controlar a ansiedade e passar de ano

Shutterstock _71703319
O final do ano está se aproximando, férias coletivas, festas de finais de ano... Mas, antes de curtir tudo isso, algumas crianças passam de ano sem grandes dificuldades. Porém outras acabam contando com uma jornada extra: a recuperação. A modificação deste percurso normal de festas e férias tem um gosto desagradável para a criança, e sinaliza que alguma coisa aconteceu no decorrer do ano. Mas existe uma nova oportunidade para reparar essas falhas do aprendizado, e que se omitidos podem permanecer.
Essa nova oportunidade pode ser vista pelas crianças como um momento de fracasso e frustração. Há um cansaço emocional no momento que o sucesso é tão importante.
Para aproveitar essa nova oportunidade, é necessário fazer um esforço extra nos estudos e ter calma. O reforço pode contar com a ajuda dos pais, que podem contribuir participando do momento da preparação das provas finais e investigando os motivos da necessidade da prova de recuperação, como: falta de atenção, dificuldades de aprendizagem, faltas em excesso ou até problemas relacionados à escola.
Diante da notícia das provas finais, há um fator estressante. O estresse acontece quando uma pessoa se sente, de alguma forma, pressionada. Sofrer antecipadamente não ajuda a resolver o problema, é preciso administrar e enfrentar os acontecimentos e buscar estratégias para encontrar uma solução.  A pessoa que não sabe administrar os problemas de cada dia precisa aprender a fazê-lo. Neste caso os pais são os modelos e podem auxiliar e muito.
Para a preparação para as provas finais é importante, que: organize e tire o maior proveito do tempo, e para isso, faça um programa bem definido de atividades referentes aos conteúdos junto com a criança; ouça ao invés de punir; procure a escola; veja se as lições e atividades foram feitas e consulte a agenda escolar; estimule e facilite a frequência no reforço e divida a hora do estudo e hora do lazer.
As crianças com Diabetes, na grande maioria tipo1, diante de uma situação estressante, provas finais, por exemplo, pode ter alterações nos níveis de glicose: tanto elevando a glicemia (hiperglicemia),ou baixando os níveis de glicose (hipoglicemia), isso depende da forma que a pessoa reage frente ao estresse.
Sabe-se que alguns problemas que dão origem para o estresse não irão acabar, não importa o que você faça. Diante de provas finais o estresse é inevitável, porém os adultos, professores e pais, podem minimizar o "peso" de uma prova final, no qual é fundamental que ela perceba e viva esse momento. Para isso, é essencial mostrar a disponibilidade dos pais para a criança, o que poderá deixá-la mais segura, realizar em conjunto o planejamento de um cronograma e olhar de perto o que está acontecendo também são fundamentais neste processo.
A avaliação psicológica e psicoterapia são indicadas no caso de haver fobia em relação a realizar provas, dificuldades de aprendizagem sem nenhum motivo, estresse intenso e descontrolado, dificuldades dos pais frente à frustração dos filhos... entre outras dificuldades e sofrimentos.
Alguns cuidados são fundamentais na hora de fazer a prova final, é um momento importante e não podemos deixar de pensar em nossa saúde, pois ela será fundamental para um bom desempenho. Na hora da prova, a criança pode ficar ansiosa e o estresse da situação pode levar a uma hiperglicemia ou a uma hipoglicemia. Isso consequentemente resultará nos sintomas e até em uma confusão mental. É fundamental que se detecte a glicemia no momento antes de iniciar a prova. Ou se você já souber da tendência da sua glicemia frente ao estresse, que, por exemplo, esse estresse possa resultar em hiperglicemias, a insulina poderá ser ajustada a essa situação, conforme orientação médica.
Glaucia Margonari Bechara - Psicóloga clinica. Mestre em Psicologia da Saúde e membro da equipe de educação da ADJ Diabetes Brasil.


Obrigado pela visita, volte sempre.

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…