Pular para o conteúdo principal

O PAPEL DA LEITURA COMO AGENTE FACILITAR NO DESENVOLVIMENTO ESCOLA. Simone Moraes

O PAPEL DA LEITURA COMO AGENTE FACILITAR NO DESENVOLVIMENTO ESCOLA.
Simone Moraes
Pedagoga, especialista psicopedagogia e Docência superior
 
A dificuldade da prática da leitura ou dificuldade de leitura e símbolos encontrados pelo o educando ocasiona um lento rendimento escolar no processo de ensino e aprendizagem, uma vez que, atuação do “saber ler” consiste como um dos objetos da leitura pelo intermédio ou não da grafia ou de símbolos claramente decodificados.
      O distanciamento do educando significa apontar erros para meio ao qual está inserido, pois a intervenção do âmbito familiar junto à escola vai acrescentar pontos, positivos, no reforço deste processo de ensino. E como disponibilizar recursos didáticos ao educando para que o mesmo tenha a oportunidade de entrar em contato com o mundo imaginário inabitado por ele? Tanto esclarecer a leitura, inserir ao seu cotidiano a pratica, dando início a construção diária da visão da sociedade mais justa e democrática com ênfase a leitura escletistas e critica que passam a interagir na escola e âmbito familiar. A leitura exerce um papel fundamental da melhoria do ensino, pois amplia e integra conhecimento enriquecendo o vocabulário, alem de facilitar a comunicação entre os sujeitos. É de suma importância o desenvolvimento de uma cultura de leitores na sala de aula.
Como os demais ambientes da escola, para que a partir deste envolvimento aconteça o desenvolvimento do educando favorecendo a inclusão destes leitores como formadores de opinião em todos os ambientes social e democrático no qual estejam inseridos, e intermediados pela acultura de um mudo deve-se considerar que através da leitura e não apenas da decodificação de letras e sons, o aluno e capaz de construir sua própria visão.
A inserção da leitura no contexto escolar deve se apresentar de forma dinâmica e direcionada, onde enquanto o educando pratica a leitura estará desempenhando a sociabilidade sustentada pelo educador que se torna agente facilitador de conhecimento no processo de qualidade e melhoria de leitura ao educando no seu desempenho da linguagem oral e escrita.
A leitura exerce importância na formação do individuo como “aluno leitor” consciente na sociedade ao qual está inserido.
A leitura á implementação dos pensamentos expressos por símbolos da escrita com a vivência e a afetividade do leitor, è importante para adquirir conhecimento como informação, prazer, cultura, e aquisição de bons hábitos. De acordo com Vygotsky (1996), a aprendizagem sempre acontece na interação com o outro que trocam informação através de símbolos e sons. a leitura é compreendida entre sons e sinais através da decifração de códigos e compreensão das idéias compreende-se que é o assimilar  a leitura é uma reflexão do que estas escrito indo além dos  fonemas e grafemas existente mas gerando um opinião do texto lido interpretação a idéia do autor naquelas palavras ler é interagir, interpretar, compreender. A leitura é das condições de entender este universo que nos toca. Ler é dar contexto aos textos quem lê pensa, adquire um pensar critico.
 A partir deste ponto podemos fazer uma reflexão sobre o relacionamento leitura e leitor dissemos que a ler é acima de tudo, compreender, mas para que isso aconteça é necessário além do conhecimento cognitivos da leitura os conhecimentos prévios é necessário a ela é preciso que o leitor esteja comprometido com sua leitura. Segundo Freire a leitura de mundo procede sempre à leitura da palavra. O ato de ler veio dando na sua experiência existencial primeiro a leitura do mundo pequeno em que se e depois a leitura da palavra. Assim a postura de confronto com esta leitura de críticidade sobre o que lê assim se projetando no texto levando pra ele toda sua vivencia emocional, expectativas seus desejos, medos assim conseguindo ser tocado pela leitura.
 O professor mediador desta leitura é o agente transformador que auxilia na construção do conhecimento mais elabora significativo da realidade, desde que o mesmo adote uma didática mais elaborada fazendo uso de estratégias contagiante que desperte o alunado, Neste processo o professor irar estimular o conhecimento prévio do aluno e fornecer conhecimento lingüístico, vocabulário regras da língua e seu uso: assim como o conteúdo e a linguagem de cada gênero numa leitura satisfatória no qual a leitura ira alcançar estes diversos tipos de conhecimento entrelaçado no texto já que a leitura trata-se de um processo interativo que amplia o conhecimento lingüístico e discursivo do educando que ao mesmo tempo se torna agente de participação social.
O docente deve chamar a tensão do discente antes mesmo de ler o texto para as partes intrigante do mesmo para as imagens a ortografias que acompanha o texto, o titulo fazendo um discurso indagando sobre que quer dizer o titulo do que ira tratar o texto em questão o subtítulo o nome de o autor identificar o gênero textual para posteriormente partir para leitura do texto já com uma visão do que se espera do texto apresentado.  Na sala de aula o docente ao escolher uma determinada leitura terá que estabelecer alguns pré requisitos a respeito da leitura abordada na sala de aula:
  • Objetivo da leitura
  • Avaliação do conhecimento
  • Antecipação do conteúdo
  • Levantamento de hipóteses do conteúdo
Assim conclui-se que é de suma importância desenvolver não só nos alunos, mas primeiramente no professor uma cultura de leitura desta forma a ação pedagógica do professor se tornará uma proposta positiva para um novo alunado de leitores e formadores de novas opiniões de sociedade.
 REFERÊNCIAS BIBLIOGÁFICAS
FREIRE, Paulo, Pedagogia da autonomia, 7ª edição são Paulo, paz e terra, 1998.
HELENA, Maria Martins, O que é leitura, São Paulo: Brasiliense. 2003.
OLIVEIRA, T, A: BERTOLIN, R, SILVA, A, S tecendo textos, Ed, são Paulo: IBEP 2002


http://olharpedagogico.no.comunidades.net/index.php?pagina=1230005472

Obrigado pela visita, volte sempre.

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…