Pular para o conteúdo principal

ESTUDO DA LIDERANÇA – ALGUNS CONCEITOS AO LONGO DOS ANOS




Um Breve Histórico 
Devemos entender alguns princípios ligados à liderança, principalmente por tratar-se de um assunto que é pesquisado há anos, e existem algumas abordagens a serem entendidas na evolução destes estudos. 
O período que se segue após a Segunda Guerra Mundial, denominado de “guerra fria”, caracterizou-se por grande competitividade entre Estados Unidos da América (EUA) e pela União das Repúblicas Socialistas e Soviéticas (URSS), principalmente na questão bélica, para mostrar ao mundo qual o melhor sistema deveria prevalecer. 
Para acompanhar estas transformações derivadas da crise pós-1930, a atuação do Estado se altera, ao criar a figura do Welfare State (Estado do Bem Estar Social), responsabilizando-se por áreas como saúde, habitação e educação baseado no modelo de gestão burocrático. Este modelo burocrático adotado tanto pelo Estado quanto pelas empresas mostrar-se-á incapaz de oferecer um ambiente criativo e renovador em virtude das mudanças vividas pela sociedade moderna no mundo dos negócios. 
A burocracia aplicada, tanto na gestão do Estado quanto nas empresas, vem para adequar normas e regulamentos em face de dois ambientes: o formalismo, cuja ênfase recai nas tarefas organizadas pela rigidez da burocracia, e nas relações humanas, reconhecendo-se a importância das pessoas no processo de industrialização. 
Este modelo burocrático era passível de erros ou disfunções, denominados de descaminhos da burocracia, por pautar-se no controle rígido das ações empresariais, incentivar práticas contrárias à boa gestão empresarial e não refletir um posicionamento moderno. 
Diante deste quadro de falência da burocracia, abre-se espaço para estudos científicos sobre motivações e valorização do ser humano, focados no perfil dos líderes por significar a sobrevivência empresarial em épocas de turbulência. 
A partir daí, foram formuladas novas teorias sobre liderança, com o objetivo de estudar e traçar o perfil de um líder em um ambiente de negócios. 

Max Weber e a burocracia 

Convém iniciar com Max Weber, sociólogo alemão, que caracterizou três tipos distintos de estrutura na sociedade, onde cada qual possui características de comportamento diferentes, relacionados com os tipos de poder na sociedade: 
- Racional-legal: em que a aceitação da autoridade se baseia na crença da legalidade das leis e regulamentos. Essa autoridade pressupõe um tipo de dominação legal, o qual vai buscar sua legitimidade no caráter prescritivo e normativo da lei; 
- Tradicional: em que a aceitação da autoridade se baseia na crença de que o que explica a legitimidade é a tradição e os costumes. Em suma, os subordinados aceitam como legítimas, as ordens superiores que emanam dos costumes e dos hábitos tradicionais ou de fatos históricos imemoriais; 
- Carismática: em que a aceitação advém da lealdade e da confiança nas qualidades normais de quem governa. Em presença de um líder ou chefe que personifique um carisma invulgar ou excepcional, qualquer subordinado aceitará a legitimidade de sua autoridade. 
Então, no caso da Legal ou Racional, também denominada burocrática, em razão da predominância de normas e regulamentos, definidos por mecanismos impessoais e racionais, tal como em grandes organizações, são exemplos o próprio Estado, o exército etc. 
Já a Tradicional é caracterizada pela família, do feudalismo, na sociedade medieval, ou do coronelismo, na América do Sul, por se apresentarem patriarcais e patrimonialistas; 
No caso da Carismática, predominam as características de grupos revolucionários, religiosos e partidos políticos, por representarem veneração a personalidades místicas, arbitrárias; 
O termo burocracia, cunhado por Max Weber durante o despertar do capitalismo como representante das grandes organizações, constitui um modelo de organização humana, baseada na racionalidade ao adequar meios aos objetivos pretendidos a fim de garantir a máxima eficiência, distinguindo-se daqueles existentes nas sociedades antigas, tal como no feudalismo e nas autoridades tradicionais. 
Neste sentido, os estudos de Max Weber, embora analíticos e não prescritivos, compõem um “modelo ideal” que será aplicado em instituições públicas e organizações privadas, garantindo presença dominante da burocracia nas sociedades modernas. 
O estudo da liderança e seus princípios nos dias de hoje, deve ser integrado com a figura da autoridade ou da dominação, conforme apresentado nos estudos de Max Weber, por estar vinculado com a figura do líder carismático, onde a principal característica é a aceitação, arrebanhando massas de liderados, sem imposição. 
Portanto, liderar diz respeito a uma relação entre líder e liderados que se manifesta pelo consentimento, espontaneidade e identidade de interesses, embora não podemos confundir figura de líder, rei ou chefe em momentos da história. 
Então, de acordo com esta definição, o processo de liderança não deve ser entendido como comparação à relação entre subordinado e chefe existentes nas organizações. Deve ser entendido sim, como um fenômeno onde uma pessoa influencia o comportamento de outra, ou outras, desvinculado ao rótulo de chefe, ou mesmo amigo, subordinado ou parente, mas sendo caracterizado pelo consentimento e pura aceitação entre as partes. 
Mas os estudos de Weber incorporados ao Estado e as organizações fornecem ao mundo terminologia específica, como a Teoria da Burocracia, que não fica isenta de críticas considerando o período pós-1930. 


Meu site:
www.cintyafaccioli.com


http://www.administradores.com.br/artigos/negocios/estudo-da-lideranca-alguns-conceitos-ao-longo-dos-anos/22663/

Obrigado pela visita, volte sempre.

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…