ABAIXO OS SEGUIDORES DESTE BLOG OBRIGADO POR ACOMPANHAR NOSSO BLOG.

Seguidores

quinta-feira, 3 de setembro de 2015

Ser professor não é para qualquer um


Editoria Opinião

Ser professor não é para qualquer um

Na imagem, um óculos apoiado em anotações para a preparação de aulas.Alonso Bezerra de Carvalho*

 

De todas as profissões que existem, creio que a de professor é a mais desafiadora. Na maioria das profissões que tem contato com pessoas, o profissional dificilmente atende ou se ocupa com mais de trinta indivíduos, ao mesmo tempo, no mesmo lugar e com várias turmas. Portanto, quando entra nas salas de aula, o professor tem que lidar com dimensões, perspectivas, expectativas e dinâmicas de vida as mais diversas. Ter competência técnico-científica seria, nesse caso, apenas um aspecto das tarefas que precisa ou poderia desempenhar.

Nesse sentido, o professor deveria ter uma compreensão mais ampla do ser humano com o qual trabalha; bem como de si mesmo. Porém, o que vemos é uma banalização e uma desvalorização quase completa da profissão docente.

O Brasil corre o risco de num futuro bem próximo ter uma grave crise na educação por falta de professores. Os cursos que formam docentes estão se esvaziando e os alunos que ainda acreditam estão perdendo as esperanças. Se isso não bastasse, os conteúdos que são ministrados aos futuros professores parecem que não dão conta das exigências que o cotidiano escolar apresenta. Entre elas está a questão do reconhecimento de um conjunto de individualidades que circulam na sala de aula, isto é, cada aluno tem a sua singularidade, a sua própria identidade.

Nos cursos de formação é dada uma ênfase apenas aos conhecimentos específicos que devem ser ministrados nas aulas: História, Geografia, Química, Matemática, Biologia, Língua Portuguesa, etc. O novo professor sai carregado de informações e, muitas vezes com bastante entusiasmo, procura trabalhá-las com os seus alunos, que foram concebidos de maneira abstrata e idealizados. Quando, porém, percebe que há uma distância entre o ideal e o real, o resultado é, geralmente, a frustração, o desencantamento e, para aqueles que podem, o abandono da profissão.

Assim, uma reflexão que talvez caiba fazermos é a respeito do que mudar no processo formativo e na prática pedagógica. Em minha opinião, o professor deve ter conhecimentos sobre ética, pois é um campo filosófico que nos proporciona compreender os valores que adotamos, o sentido dos atos que praticamos e a maneira pela qual tomamos decisões e assumimos responsabilidades em nossa vida.
Quando, numa sala de aula, estamos diante de situações de conflito ou quando defrontamos com dilemas, que exige decisões e escolhas, ter uma formação ética pode favorecer posturas novas, tolerantes e equilibradas em nossas práticas educativas. Mas isso é possível? Não é das tarefas mais fáceis, especialmente pelas razões já apontadas.

Todavia, esse alargamento na formação do professor, que pode incluir conteúdos estéticos, psicológicos, políticos, antropológicos, sociológicos, etc, nos leva a considerar com mais cuidado o significado do outro que, diferente de mim, deve ser respeitado e tratado na minha dignidade e na dele. No caso da escola, o aluno deve saber e reconhecer isso; o professor deve saber e reconhecer também. Como se vê, saídas podem ser arriscadas, basta sabermos se queremos correr riscos ou ficar conformados com o estado lastimável e degradante em que experimentamos na atualidade. São esses os desafios de todos nós!

 

--
(*) Alonso Bezerra de Carvalho é formado em Filosofia e Ciências Sociais e Doutor em Educação. É docente da Unesp e orientador de turma do curso de Pedagogia do Projeto Unesp/Univesp.
 (Artigo originalmente publicado em http://www.professoralonso.blogspot.com
Foto: Pamela Bianca Gouveia - NEaD)

fonte: http://edutec.unesp.br/editoria-opiniao/editoria-opiniao-ver-todas/731-ser-professor-nao-e-para-qualquer-um.html

Obrigado pela visita, volte sempre.

Ser professor: uma escolha de poucos

Ser professor: uma escolha de poucos

Pesquisa com estudantes do Ensino Médio comprova a baixa atratividade da docência

Rodrigo Ratier (rodrigo.ratier@fvc.org.br) e Fernanda Salla

Nos últimos anos, tornou-se comum a noção de que cada vez menos jovens querem ser professores. Faltava dimensionar com mais clareza a extensão do problema. Um estudo encomendado pela Fundação Victor Civita (FVC) à Fundação Carlos Chagas (FCC) traz dados concretos e preocupantes: apenas 2% dos estudantes do Ensino Médio têm como primeira opção no vestibular graduações diretamente relacionadas à atuação em sala de aula - Pedagogia ou alguma licenciatura (leia o gráfico abaixo).

Uma profissão desvalorizada
Só 2% dos entrevistados pretendem cursar Pedagogia ou alguma Licenciatura, carreiras pouco cobiçadas por alunos das redes pública e particular
Ilustração: Mario Kanno
Fonte: Pesquisa Atratividade da Carreira Docente no Brasil (FVC/FCC)

A pesquisa, que ouviu 1.501 alunos de 3º ano em 18 escolas públicas e privadas de oito cidades, tem patrocínio da Abril Educação, do Instituto Unibanco e do Itaú BBA e contou ainda com grupos de discussão para entender as razões da baixa atratividade da carreira docente. Apesar de reconhecerem a importância do professor, os jovens pesquisados afirmam que a profissão é desvalorizada socialmente, mal remunerada e com rotina desgastante (leia as frases em destaque).

"Se por acaso você comenta com alguém que vai ser professor, muitas vezes a pessoa diz algo do tipo: 'Que pena, meus pêsames!'"
Thaís*, aluna de escola particular em Manaus, AM

"Se eu quisesse ser professor, minha família não ia aceitar, pois investiu em mim. É uma profissão que não dá futuro."
André*, aluno de escola particular em Campo Grande, MS

* Os nomes dos alunos entrevistados foram alterados para preservar a confidencialidade da pesquisa


O Brasil já experimenta as consequências do baixo interesse pela docência. Segundo estimativa do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), apenas no Ensino Médio e nas séries finais do Ensino Fundamental o déficit de professores com formação adequada à área que lecionam chega a 710 mil (leia o gráfico ao lado). E não se trata de falta de vagas. "A queda de procura tem sido imensa. Entre 2001 e 2006, houve o crescimento de 65% no número de cursos de licenciatura. As matrículas, porém, se expandiram apenas 39%", afirma Bernardete Gatti, pesquisadora da Fundação Carlos Chagas e supervisora do estudo. De acordo com dados do Censo da Educação Superior de 2009, o índice de vagas ociosas chega a 55% do total oferecido em cursos de Pedagogia e de formação de professores.

Faltam bons candidatos
A baixa procura contrasta com a falta de docentes com formação adequada 
Ilustração: Mario Kanno
Fontes: Inep e Censo da Educação Superior (2004 e 2008)

Um terço dos jovens pensou em ser professor, mas desistiu
Ilustração: Mario Kanno
Ilustrações: Mario Kanno
O estudo indica ainda que a docência não é abandonada logo de cara no processo de escolha profissional. No total, 32% dos estudantes entrevistados cogitaram ser professores em algum momento da decisão. Mas, afastados por fatores como a baixa remuneração (citado nas respostas por 40% dos que consideraram a carreira), a desvalorização social da profissão e o desinteresse e o desrespeito dos alunos (ambos mencionados por 17%), acabaram priorizando outras graduações. O resultado é que, enquanto Medicina e Engenharia lideram as listas de cursos mais procurados, os relativos à Educação aparecem bem abaixo (leia os gráficos na página ao lado).

Um recorte pelo tipo de instituição dá mais nitidez a outra face da questão: o tipo de aluno atraído para a docência. Nas escolas públicas, a Pedagogia aparece no 16º lugar das preferências. Nas particulares, apenas no 36º. A diferença também é grande quando se consideram alguns cursos de disciplinas da Escola Básica. Educação Física, por exemplo, surge em 5º nas públicas e 17º nas particulares. "Essas informações evidenciam que a profissão tende a ser procurada por jovens da rede pública de ensino, que em geral pertencem a nichos sociais menos favorecidos", afirma Bernardete. De fato, entre os entrevistados que optaram pela docência, 87% são da escola pública. E a grande maioria (77%), mulheres.

O perfil é bastante semelhante ao dos atuais estudantes de Pedagogia. De acordo com o Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade) de Pedagogia, 80% dos alunos cursaram o Ensino Médio em escola pública e 92% são mulheres. Além disso, metade vem de famílias cujos pais têm no máximo a 4ª série, 75% trabalham durante a faculdade e 45% declararam conhecimento praticamente nulo de inglês. E o mais alarmante: segundo estudo da consultora Paula Louzano, 30% dos futuros professores são recrutados entre os alunos com piores notas no Ensino Médio. O panorama desanimador é resumido por Cláudia*, aluna de escola pública em Feira de Santana, a 119 quilômetros de Salvador: "Hoje em dia, quase ninguém sonha em ser professor. Nossos pais não querem que sejamos professores, mas querem que existam bons professores. Assim, fica difícil".

fonte: http://revistaescola.abril.com.br/politicas-publicas/carreira/ser-professor-escolha-poucos-docencia-atratividade-carreira-vestibular-pedagogia-licenciatura-528911.shtml

Obrigado pela visita, volte sempre.

Violência no Brasil @CanalDoOtario



Obrigado pela visita, volte sempre.

RESERVAS INDÍGENAS - COBIÇA INTERNACIONAL



Obrigado pela visita, volte sempre.

quarta-feira, 2 de setembro de 2015

A ARTE DA MATEMÁTICA: Ábacos

A ARTE DA MATEMÁTICA: Ábacos: Ábaco  O ábaco é um instrumento antigo de cálculo, que segundo muitos historiadores foi inventado na Mesopotâmia, pelo men...

Obrigado pela visita, volte sempre.

A ARTE DA MATEMÁTICA: Os Sete Processos Mentais básicos para Aprendizage...

A ARTE DA MATEMÁTICA: Os Sete Processos Mentais básicos para Aprendizage...: Introdução O conhecimento lógico matemático é um processo construtivo, acontece no interior do indivíduo, através da interação com o m...

Obrigado pela visita, volte sempre.

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS

INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS


Para trabalhar a interpretação, os textos devem considerar as situações de práticas de leitura e escrita. 

Algumas situações práticas de leitura e escrita:
- Seguir instruções (receitas, manuais de jogo), 
- Comunicar-se (recado, bilhete, carta, anúncio, convite), 
- Divertir e emocionar-se (poema, conto, fábula, lenda), 
- Informar (notícia), 
- Orientar-se no mundo (tabela, mapa) 
  entre outros tipos.

Trabalha-se a interpretação de textos desde a educação infantil. Nesta fase, como os alunos ainda não sabem ler e escrever, as crianças interpretam os textos oralmente. 

Na alfabetização, quando os alunos já passaram para a escrita alfabética, a leitura e interpretação se tornam mais presentes nas práticas de escrita. A interpretação de textos é feita através de questões orais e escritas.

Veja abaixo alguns exemplos de interpretação de textos:
_________________________________________________________________________________

________________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

Estes textos fazem parte das Apostilas de Interpretação de Textos Volume I e II. Caso tenha interesse em adquirir, favor entrar em contato por e-mail:
glaucerossi@terra.com.br

http://diariodaprofaglauce.blogspot.com.br/

Obrigado pela visita, volte sempre.

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

>> Políticas Públicas> Legislação Debate legal | Formação Um pedagogo pode dar aulas de Educação Física e Arte? Juca Gil (gestaoescolar@fvc.org.br)



Pergunta enviada por Marimí Carneiro, Marcionílio Souza, BA


Em dezembro de 2010, o Conselho Nacional de Educação (CNE) aprovou a Resolução CEB nº 07, fixando diretrizes para o Ensino Fundamental de nove anos. Entre outras questões relevantes, o documento estipula que, "do 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental, os componentes curriculares Educação Física e Arte poderão estar a cargo do professor de referência da turma, aquele com o qual os alunos permanecem a maior parte do período escolar, ou de professores licenciados nos respectivos componentes" (art. 31). Ou seja, tanto um pedagogo quanto um professor formado no magistério de nível médio estão autorizados a dar aulas de Arte e Educação Física para os seus alunos. Contudo, esses profissionais não podem atuar com turmas do 6º ano em diante nem no Ensino Médio. A decisão é coerente com a tradição na escolarização de crianças de fortalecer os vínculos afetivos entre elas e os professores. Como um docente dos anos iniciais deve alfabetizar e ensinar a fazer contas, mas não precisa ser formado em Letras nem em Matemática, a deliberação é lógica.

fonte; http://gestaoescolar.abril.com.br/politicas-publicas/pedagogo-pode-dar-aulas-educacao-fisica-arte-series-iniciais-ensino-fundamental-759481.shtml

Obrigado pela visita, volte sempre.

Acontece em agosto e setembro, na Faculdade de Educação da UNICAMP 2015


seta SEMINÁRIO
Bibliotecas, acervos e pesquisasDe 31 de agosto a 03 de setembro de 2015, na Faculdade de Educação da Unicamp.
Programação completa: <clique aqui>Inscrições ouvintes: <clique aqui>

Inscrições nas oficinas:
Oficina 1: Conservação de documentos em papel
Castorina Augusta Madureira de Camargo (Arquivo Edgard Leuenroth)
Turma 1: <clique aqui>
31 de agosto, 14h às 17h
01 de setembro, 14h às 17h
Turma 2 :<clique aqui>
02 de setembro, 09h às 12h
02 de setembro, 14h às 17h

Oficina 2: Procedimientos e insumos de conservación 
Cinthia Alejandra Sanchez (Biblioteca Nacional de Maestros/ Minist ério da Educação da Argentina)
Turma 1: <clique aqui>
31 de agosto, 14h às 17h
01 de setembro, 14h às 17h
Turma 2: <clique aqui>
02 de setembro, 09h às 12h
02 de setembro, 14h às 17h

Realização: Centro de Memória da FE-Unicamp
Apoio: Sistema de Bibliotecas da Unicamp (SBU) e Arquivo Edgard Leuenroth (AEL)
Financiamento: Faepex
seta SEMINÁRIOS DO GEPEDISC
Engenharia, trabalho e relações de gênero na construção de habitações
Convidada: Maria Rosa Lombardi (Fundação Carlos Chagas)
Dia 01 de setembro de 2015, das 09h às 12h, na Sala ED07 da FE-Unicamp
Programação completa: <clique aqui> 
Realização: Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Educação e Diferenciações Socioculturais (Gepedisc - Trabaho e Educação/FE-Unicamp)
seta II COLÓQUIO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO E HISTÓRIA CULTURAL
Las enseñanzas de enseñar el holocausto y otros genocidios.Perspectivas desde los aportes de la investigación testimonial 
Convidada: Profa. Dra. Ana Diamant (Biblioteca Nacional de Maestros e Ministerio de Educación - Argentina)
Dia 01 de setembro de 2015, na Sala da Defesa do Bloco A da FE-Unicamp.
Inscrições: <clique aqui>
Realização: Linha de Pesquisa Educação e História Cultural e Centro de Memória da FE-Unicamp
Apoio: Faepex-Unicamp
seta IV Simpósio Iberoamericano: História, Educação, Patrimônio Educativo
De 01 a 04 de setembro de 2015, no Centro Paula Souza, São Paulo-SP
Programação na FE: <clique aqui>
Mais informações: <clique aqui>
ATENÇÃO: as visitas às instituições escolares de Campinas serão restritas aos participantes do Simpósio constantes na lista de inscritos e portadores de crachá
Realização: Memórias e História da Educação Profissional, CETEC, Centro Paula Souza, Governo do Estado de São Paulo, Grupo de Estudos e Pesquisas em História da Educação, Cultura Escolar e Cidadania (CIVILIS/FE-Unicamp), Faculdade de Educação da Unicamp e UNICAMP


seta CONFERÊNCIA
Anthropology in a globalized world. Challenges and New PerspectivesConvidado: Christoph Wulf (Universität Berlin)
Dia 08 de setembro de 2015, das 14h às 18h, na Sala da Congregação da FE-Unicamp
Inscrições: <clique aqui> 
Realização: Grupo de Pesquisa em Educação, Linguagem e Práticas Culturais (Phala/FE-Unicamp)
seta IV SETEMBRO AZUL
Plano Nacional de Educação e as Políticas locais para implantação da Educação Bilíngue para SurdosDia 18 de setembro de 2015, no Auditório da ADUnicamp.
Programação: <clique aqui>
Inscrições: <clique aqui> 
Realização: Grupo de Estudos Surdos e Grupo Surdo de Estudos/DiS
Financiamento: GGBS/Unicamp
seta X Seminário de Teses e Dissertações em Andamento Qual é o lugar da pesquisa e da formação na "Pátria Educadora?
Em 22 a 24 de setembro de 2015, na Faculdade de Educação da Unicamp.
Mais informações: <clique aqui>
Inscrições a partir de 20 de julho.
Realização: Associação de Pós-Graduação da FE-Unicamp
seta WORKSHOP
Neuroplasticidade e processos criativos na educaçãoConvidada: Sylvie Captain (Paris-França)
De 21 a 25 de setembro de 2015, na Sala ED03 da FE-Unicamp
Programação completa:: <clique aqui>
Inscrições: <clique aqui> 
Realização: Laboratório de Estudos Audio Visuais (Olho/FE-Unicamp)
seta II ENCONTRO DE EX-ALUNOS DA FE-UNICAMP
Dia 26 de setembro de 2015, na Faculdade de Educação da Unicamp
Programação completa:: <clique aqui>
Inscrições: <clique aqui> 
Realização: Faculdade de Educação da Unicamp
seta VI Seminário Conexões Deleuze e Máquinas e Devires e...
De 28 a 30 de setembro de 2015, na FE-Unicamp
Mais informações: <clique aqui>
Inscrições: <clique aqui>
Realização: OLHO/FE-Unicamp, DiS/FE-Unicamp, PPGE/FE-Unicamp, Programa de Mestrado em Divulgação Científica e Cultural (IEL/Unicamp), Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade de Sorocaba (UNISO), Instituto Federal de São Paulo – Campus Hortolândia, Labjor/Unicamp e ALB

fonte: https://www.fe.unicamp.br/

Obrigado pela visita, volte sempre.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...