ABAIXO OS SEGUIDORES DESTE BLOG OBRIGADO POR ACOMPANHAR NOSSO BLOG.

Seguidores

segunda-feira, 2 de março de 2015

Os tipos de lixo, planos de aulas.Fundamental 1

Realizando uma pesquisa de campo, a turma compreende a origem dos resíduos sólidos e quais são os diferentes destinos que eles devem receber

Cena de um aterro sanitário com diversos sacos plásticos, garrafas, restos de madeira, comida, etc. Imagem ilustra Plano de Aula de Biologia sobre os diferentes tipos de lixo que produzimos
Objetivos
  • Categorizar os diferentes tipos de lixo que produzimos em nossa sociedade
  • Identificar qual o destino correto para diferentes resíduos sólidos
  • Conhecer o conceito de logística reversa
  • Adotar práticas sustentáveis que envolvam o consumo consciente e o descarte correto de resíduos sólidos
Conteúdos
  • Abordagem sobre a Política Nacional de Resíduos Sólidos
  • Classificação do lixo
  • Consumo consciente
  • Responsabilidade compartilhada
  • Logística reversa
Anos
Ensino Fundamental I (1ª a 5ª série)

Tempo estimado5 a 6 aulas

Material Necessário

IntroduçãoNeste ano de 2014, a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) prevê a proibição de disposição de resíduos sólidos em lixões a céu aberto. A PNRS é uma lei que estabelece regras para a destinação e disposição correta dos resíduos gerados pela sociedade. Esta legislação promove grandes desafios porque co-responsabiliza governo, produtores (indústrias) e consumidores a colaborarem com a redução do material descartado e o retorno para a cadeia produtiva. Nós, consumidores, somos peça fundamental para lubrificar a engrenagem dessa máquina. O destino correto do lixo eletrônico, a separação de resíduos recicláveis e a destinação desses materiais a cooperativas impedem que a matéria-prima utilizada na produção seja despejada no meio ambiente. Consequentemente, a produção de um determinado material exigirá menos gasto energético e menos emissão de poluentes. Essas atitudes contribuem com a logística reversa e, associadas a práticas que envolvem o consumo consciente, buscam abrandar os problemas gerados pelo acúmulo dos resíduos sólidos. Pretende-se, ao final da realização destas atividades, que os alunos compreendam a nossa responsabilidade com relação à logística reversa e à redução do lixo produzido. Também se espera que as atitudes e os valores despertados neste plano de aula sejam norteadores para a redução dos impactos ambientais.

Desenvolvimento

1ª etapa Nessa primeira etapa, os alunos vão compreender que os resíduos sólidos podem ser classificados de diferentes formas, tendo como critério sua origem, sua composição química e seu destino. Para isso, o professor pode apresentar os seguintes textos: "Classificação, Origem e Características" e "Classificação adotada para os tipos de lixo". Inicie uma conversa com a turma realizando as seguintes perguntas:
  • O que acontece com o lixo que vocês produzem após jogarem no cesto?
  • Vocês possuem o hábito de separar o lixo e encaminhar para a reciclagem?
  • Com qual frequência vocês trocam de celular?
  • Na hora de comprar um produto, vocês levam em consideração a quantidade de material usada na embalagem que será descartada?
Após realizar essa conversa, explique aos alunos que eles vão ler alguns textos e que também vão assistir a alguns vídeos para compreender a problemática questão do lixo. À medida que assistirem os vídeos e realizarem a leitura, os alunos deverão produzir um glossário com termos relacionados a este assunto. Política Nacional de Resíduos Sólidos, aterro sanitário, chorume, responsabilidade compartilhada e logística reversa são alguns termos que podem estar incluídos nessa produção escrita.

Apresente à turma o texto "Uma montanha que só cresce", mas antes de iniciar a leitura pergunte qual a quantidade de lixo eles imaginam ser produzida todos os dias e explique que o texto fornecerá resposta a essa questão. É importante que você realize pausas no momento da apresentação dos infográficos, pois neles se encontram algumas definições que serão úteis para a produção do glossário. Façam também a leitura do texto "Ricardo Abramovay e a riqueza do lixo" para que entendam de que trata a Política Nacional de Resíduos Sólidos e compreendam o conceito de responsabilidade compartilhada. No 19º parágrafo do texto "Uma montanha que só cresce" existe uma citação que menciona a logística reversa. Nesse momento, você poderá fazer uma pausa e apresentar os vídeos: "Bom Dia Brasil: Logística Reversa" e "Globo Ecologia (reciclagem de celulares e baterias)".

2ª etapa 
Para sistematizar os conceitos trabalhados na etapa anterior, apresente os vídeos "O Nosso Lixo (2/3) - TV Brasil" e "O Nosso Lixo (3/3) - TV Brasil". Ao término da exibição desses dois últimos vídeos, solicite aos alunos para que façam um resumo descrevendo quais informações eles desconheciam e quais consideram tão importantes a ponto de mudar sua prática. Ao final dessa etapa, questione como podemos reduzir a quantidade de lixo que vão todos os dias para a lixeira. Após a discussão, sistematize as ações discutidas e peça para comparar com as apresentadas no infográfico: "Consuma sem consumir". Os itens 8 e 9 do infográfico provavelmente não impactam diretamente com os alunos nesta faixa etária, mas contribuirão para o material que será produzido durante a avaliação.

3ª etapa
Nas etapas anteriores, os alunos estudaram os tipos de resíduos sólidos. Agora, eles identificarão onde esses materiais estão presentes em seu cotidiano. Para tal, a turma deverá organizar uma tabela identificando setores da escola com o objetivo de mapear os tipos de lixo encontrados, designados a princípio por eles mesmos. Munidos de prancheta, lápis e de tabela (abaixo há um exemplo), os alunos percorrerão a escola e identificarão alguns exemplos de resíduos produzidos nestes locais. Abaixo, um modelo de tabela para orientar os alunos:



Com uma luva, você poderá auxiliá-los a vistoriar o lixo presente em cada setor para ajudar na busca dos dados. Oriente-os a não se limitarem apenas aos materiais encontrados no lixo, mas também para objetos que se tornam obsoletos ou são encaminhados ao descarte quando ficam quebrados, como mouse ou teclados de computadores. Peça também que observem se existe separação do lixo na escola e se efetivamente ele é encaminhado à reciclagem, pois como foi observado no vídeo apresentado na etapa anterior, nem sempre o material separado é enviado para reciclagem. Aproveite este momento para levantar com a turma se existe na escola, algum tipo de desperdício. Por exemplo: sobras de merenda escolar, papel descartado que poderia ter sido reaproveitado. Como tarefa, solicite que  mesmos procedimentos que eles realizaram na escola, peçam para que examinem o tipo de material que é descartado em casa. Os dados encontrados nessas atividades, subsidiarão a fórmula que os alunos realizarão na quinta etapa.

4ª etapa
Nesta etapa os alunos farão um diagnóstico da região em que vivem. Inicie a aula analisando novamente o infográfico "Mapa do Lixo" apresentado na primeira etapa e peça para localizarem em qual estado está o município em que vivem. Eles deverão investigar como a coleta de resíduos sólidos é realizada e se o seu município já está adequado às condições previstas na Política Nacional de Resíduos Sólidos. Informe à turma que vocês vão investigar as seguintes questões:
  • Existe coleta de lixo na cidade?
  • Para onde ele é encaminhado?
  • Existem aterros sanitários?
  • Você tem conhecimento da existência de coleta seletiva na região onde você mora?
  • Existem postos de coleta de lixo eletrônico?
  • O que é feito com o lixo hospitalar?
  • O que é feito com o lixo da limpeza urbana? E das construções?
  • Existem cooperativas de reciclagem?
  • Existem postos de coleta de resíduos de óleo utilizado na fritura de alimentos? Vocês poderão buscar estas informações na prefeitura do município ou na Secretaria do Meio Ambiente.
5ª etapa
Nessa etapa, os alunos realizarão dois tipos de entrevistas. A primeira delas será feita com um adulto responsável (pais e familiares) e a segunda será com um adulto responsável por cada setor da escola que foi definido na 3ª etapa. As questões deverão ser elaboradas com base nos dados sobre os tipos de lixo que pesquisaram na terceira etapa.
Em um segundo momento, os dados encontrados deverão ser editados. É importante que os alunos comparem os dados das respostas que encontraram nesse momento com os dados que encontraram na terceira etapa. Por exemplo: se encontraram na sala de informática materiais com potencial de descarte (cartuchos e tonners de impressora usados), é o momento de verificar com a entrevista qual destino é dado. As informações encontradas nesta etapa também auxiliarão os alunos no direcionamento da ação proposta como atividade avaliativa.


Avaliação
A intenção desta atividade é verificar se o conteúdo abordado em sala de aula contribuiu para o desenvolvimento de atitudes que estimulem o consumo consciente e a preocupação com o descarte correto dos resíduos sólidos.
Primeiramente, peça que a turma escreva uma dissertação, expondo sua visão a respeito da atual produção de lixo em sociedade. Aspectos como sustentabilidade e consumo consciente devem ser contemplados no texto, bem como a definição do que são os “Três Rs” e o conceito de logística reversa.
Em seguida, a turma deverá organizar uma campanha informativa sobre os tipos de resíduos sólidos, o descarte correto de materiais e quais atitudes podem contribuir com a logística reversa. Esta campanha deverá ter como público alvo as pessoas que participaram da entrevista. Para não contribuir com o acúmulo de resíduos sólidos, discuta com a turma quais estratégias eles poderiam utilizar como meios de divulgação nessa campanha. Você pode solicitar que eles preparem uma apresentação oral para a turma e antes de divulgarem o conteúdo da apresentação aos entrevistados. A apresentação oral para a turma servirá para você avaliar se os conteúdos selecionados pelos alunos incluem os objetivos da proposta.
Consultoria Luisiana Carneiro
Bióloga e pesquisadora da Abramundo - Educação em Ciências
AbrilCPFLBUNGESABESPPETROBR�SCAMARGO CORREACAIXA
Professor, dê suas opiniões, críticas e sugestões sobre este Plano de Aula:planetasustentavel@abril.com.br

fonte: http://revistaescola.abril.com.br/fundamental-1/tipos-lixo-786510.shtml

Obrigado pela visita, volte sempre.

Diversos jeitos de ensinar os números. (anos iniciais)


Professoras de escolas de São Paulo e de Salvador lançam mão de jogos e situações didáticas que mobilizam o conhecimento das crianças para avançar no ensino das características dos números

NA PONTA DO GIZ Daniela, de São Paulo, propõe questões desafiadoras para gerar novos conhecimentos. Foto: Gustavo Lourenção / Ilustrações Carlo Giovani
NA PONTA DO GIZ Daniela, de São Paulo, propõe questões desafiadoras  para gerar novos conhecimentos.  Foto: Gustavo Lourenção / Ilustrações  Carlo Giovani. Clique para ampliar
TIRA-DÚVIDAS Durante o ditado, um estudante anota as questões que não ficaram claras
TIRA-DÚVIDAS Durante o ditado, um estudante anota as questões que não ficaram claras. Fotos: Fernando Vivas.Clique para ampliar
É JOGO, MAS É SÉRIO Dupla marca cartela de bingo em uma atividade para que os alunos discutam hipóteses
É JOGO, MAS É SÉRIO Dupla marca cartela de bingo em uma atividade  para que os alunos discutam  hipóteses. Clique para ampliar
PASSANDO A RÉGUA Quando surgem dúvidas, Rita, de Salvador, usa a reta numérica para tirá-las
PASSANDO A RÉGUA Quando surgem dúvidas, Rita, de Salvador, usa a reta numérica para tirá-las.  Clique para ampliar
Mudar a maneira de ensinar o sistema de numeração requer atenção sobre o raciocínio do aluno e muito preparo para interpretar as falas e notações feitas em sala de aula e na lição de casa. Daniela Padovan, hoje uma estudiosa da didática desse conteúdo e coordenadora pedagógica de EMEI Prof. Astrogilda de Abreu Sevilla, em São Paulo, observa sempre a maneira como a maioria da turma resolve os problemas e, com base no nível em que ela se encontra, escolhe as intervenções que façam mais sentido e sejam desafiadoras. Ela quer que a garotada entenda os conceitos básicos do sistema de numeração para que todos possam aplicá-los em outras situações: "Dependendo de como você ensina, pode obter aprendizagens muito diferentes, desde a mais mecânica até a mais significativa". A diferença é que, com a primeira, o aluno aplica técnicas sem compreendê-las e, com a outra, compreende o que faz e o porquê.
Uma das atividades utilizadas por Daniela é o ditado de números. Pode parecer um procedimento simples e convencional, até mesmo tradicional, mas ele é muito eficiente para checar as hipóteses da turma e, com base nisso, ajudar a estabelecer novas conexões. Variando os números ditados, essa situação didática pode ser proposta desde o 1º ano até o 4º. Daniela pede que os estudantes trabalhem em grupos, sendo um deles destacado como anotador de dúvidas para que nenhuma passe despercebida. No fim do ditado, elas são socializadas. "Pelas dificuldades dos colegas, a turma toda se mobiliza para pensar e debater e, então, todos avançam, desde o que já sabem. Cada um tem de reorganizar os conhecimentos para se expressar, até quem começa a pensar no assunto depois da explicação dos colegas."

Daniela ressalta que é preciso tomar cuidado para que essa atividade não se torne meramente quantitativa (saber quantos números a criança acertou ou errou). O objetivo é fazer avançar na compreensão das características "invisíveis" do nosso sistema de numeração. Após o ditado, ela pede ajuda dos pequenos para anotar no quadro as diferentes representações que apareceram.

Em uma classe de 1º ano, por exemplo, a turma pode escrever 72 usando 702 ou 150 representado por 10050, entre outras muitas possibilidades. Isso mostra que ainda não está plenamente dominado o princípio de posicionalidade. Nesse caso, segue-se uma discussão na qual se comparam as diversas representações e todos podem justificar suas escolhas. Em geral, por volta de 6 ou 7 anos, alguns afirmam que "os números da 'família' do 10 - como 20, 30, 40- são sempre escritos com dois números" e "os números da família do 100 com três (algarismos)".

O uso constante de diferentes portadores numéricos - numeração das páginas de um livro ou o quadro de um álbum de figurinhas - contribui para que as crianças cheguem a essas conclusões. No 4º ano, as dúvidas aparecem em cifras maiores ou nos decimais. Ao escrever 1 trilhão, certamente muitos se confundirão com a quantidade de zeros. Pode-se ainda pedir a escrita por extenso dos números grafados com algarismos para que o aluno faça uma espécie de leitura (ou releitura) e, com isso, recupere os nomes e reinterprete a escrita anterior.
Para o 1º ano, ela aconselha ditar números que tenham de centena a milhar. Com o 4º ano, Daniela opta por decimais, frações e números que podem chegar até a ordem do trilhão. Andando pela sala de aula, ela verifica o grau de desafio - o suficiente para fazer todos pensarem - e vai adaptando a escolha: "A ideia é gerar um conflito cognitivo, senão não há avanço". Não é difícil imaginar que num ditado em que surgem 3/5, 1/10 e 2 milhões e meio, muitas interrogações aparecem na hora da notação. Aliás, como se escreve esse último? 2.500.000 ou 2.000.000,5? A discussão então deve focar a referência de "meio", que, nesse caso, é o milhão.

Números estranhos, mas que geram grande curiosidade 

Sandra Fialho Martins, professora do colégio Friburgo, em São Paulo, usa a seguinte atividade com o 3º ano para problematizar a escrita de números grandes: ela pede que a garotada liste o maior e o menor número conhecidos, individualmente. Em seguida, todos compartilham as anotações e discutem com os colegas, elegendo os resultados que serão apresentados à classe. Cada grupo anota os escolhidos no quadro-negro e justifica a escolha. "Um menino trouxe uma informação que eu mesma desconhecia: existe o nonilhão! Fomos ao dicionário e descobrimos: era o 1 seguido de 30 zeros!"

Outro garoto inventou o "onzilhão", mostrando conhecer a regularidade da nomenclatura de números enormes, como bilhão, trilhão etc. E qual foi o menor que apareceu? Um grupo apontou o 0,1. Outro, o 0. Surgiram ainda números negativos (que eles nunca haviam estudado!), inclusive o tal do 1 nonilhão negativo! A discussão sobre o 0,1 levou a garotada a perceber que, apesar de esse número parecer menor que 0, na realidade não é. Sandra, então, pegou emprestado um exemplo do sistema monetário para questionar se 1 centavo é mais ou menos que "0 real"...

Outro modo de investigar a noção que a turma tem sobre grandezas é lançar perguntas desafiadoras. Sandra bolou as seguintes para a turma do 5º ano:

- Quantas pessoas habitam a Terra?

- Quantos anos você tem e quantos dias já viveu?

Muitos não conseguiram estabelecer relação entre o que foi pedido e a grandeza usada na resposta, marcando números muito próximos para a quantidade de pessoas que viviam no planeta Terra. "Na questão sobre quantos habitantes há no mundo, alguns escreveram ‘infinito’ porque as pessoas não param de nascer!", relembra a professora.
Para calcular os dias vividos, um estudante colocou 4 milhões. Na hora do debate, os colegas sugeriram que ele multipicasse os dias de um ano pela sua idade. Essa estratégia fez com que a conta abaixasse para cerca de 3,6 mil dias.

Jogo de bingo diverte e ensina regularidades 

Com base nas dúvidas que surgem na hora de marcar cartelas no jogo de bingo, Rita Brito, professora do Ciclo de Ensino Básico I da EM Barbosa Romeo, em Salvador, consegue ensinar o valor posicional dos algarismos e fazer com que a turma compreenda uma das regularidades do sistema (os números maiores são sempre os que vêm marcados posteriormente em uma escala). Ao montar a tabela, a professora escolhe os que geram dúvidas, como o 12 e o 21, o 79 e o 97 e o 105 e o 15 (trabalhando nesse caso também a posição do 0). A turma é então dividida em duplas, nas quais ela coloca um aluno que já escreve números convencionalmente com outro que não o faz.

Para cantar os números, a professora faz um tipo de adivinha: "Fica entre 46 e 48", "Está depois de 50" ou "É maior que 99 e menor que 101". Há os que se valem da sequência oral, contando de um em um para buscar a localização exata na escala, o que também é válido. Mesmo assim, ela não deixa de intervir: caso uma criança pense que números com mesmos algarismos são iguais, ela questiona o posicionamento e o valor de cada um. Comparar os valores absolutos dos algarismos e lembrar as conclusões de atividades anteriores, como no nosso sistema numérico "manda quem está na frente", pode ser uma solução.
Quer saber mais?
CONTATOS
Daniela Padovan

EM Barbosa Romeo,
 Av. São Paulo, s/n, 41500-140, Salvador, BA, tel. (71) 3377-6707

Tudo sobre Matemática do 1º ao 5º ano
fonte: http://revistaescola.abril.com.br/matematica/pratica-pedagogica/diversos-jeitos-ensinar-numeros-500275.shtml

Obrigado pela visita, volte sempre.

domingo, 1 de março de 2015

O Sistema de Educação Americano Artigo por Study in the USA ®




O sistema de educação americano oferece uma grande variedade de escolhas para os estudantes internacionais. Há uma tal variedade de escolas, cursos e locais, que as escolhas podem confundir os estudantes, até mesmo os americanos. Ao começar a buscar uma escola, é importante se familiarizar com o sistema de educação americano. Entender o sistema o ajudará a definir melhor suas escolhas e elaborar um plano de educação.

A estrutura educacional

Escola primária e secundária

Antes de chegar à educação superior, os estudantes americanos cursam a escola primária e secundária, totalizando 12 anos de estudos. Esses anos são chamados de primeira a décima segunda séries. Por volta dos seis anos de idade, as crianças americanas começam a escola primária, que é chamada comumente de "elementary school". Passam cinco ou seis anos lá e, em seguida, começam a escola secundária.
A escola secundária consiste em duas fases: a primeira é chamada de "middle school" ou "junior high school", e a segunda fase é chamada de "high school". Ao terminar a “high school” (12º ano), o aluno recebe um diploma ou certificado e poderá ir para uma instituição de ensino superior.
"O sistema americano é muito mais aberto. Em Hong Kong, só se aprende o que o professor escreve na lousa. Nos EUA, discutem-se questões e há um foco maior em ideias."

Sistema de notas

Assim como os estudantes americanos, você terá que apresentar o seu histórico escolar ("academic transcripts") como parte do seu pedido de admissão na universidade ou faculdade. O histórico escolar são cópias oficiais do seu trabalho acadêmico. Nos EUA, isso inclui as notas ("grades") e a média ponderada (GPA, "grade point average"), que são medidas do seu desempenho acadêmico. A avaliação do desempenho nos cursos costuma ser feita usando porcentagens que são convertidas em conceitos, isto é, notas expressas em letras.
O sistema de avaliação e o GPA dos EUA podem ser confusos, especialmente para os estudantes internacionais. A interpretação das notas tem muita variação. Por exemplo, dois estudantes que frequentaram escolas diferentes enviam seus históricos escolares para a mesma universidade. Ambos têm GPA de 3.5, mas um estudante frequentou uma high school normal, ao passo que o outro frequentou uma escola de prestígio com um currículo acadêmico mais rigoroso. A universidade poderá interpretar os GPAs diferentemente um do outro, porque seus padrões de avaliação sao totalmente diferentes.
Portanto, é preciso ter em mente alguns pontos fundamentais:
  • Você deve descobrir o equivalente nos EUA do último nível de educação que você completou no seu país de origem.
  • Preste bastante atenção aos requisitos de admissão de cada universidade ou faculdade, bem como aos dos cursos de graduação específicos, que podem ser diferentes dos requisitos gerais de admissão à universidade.
  • Esteja sempre em contato com um orientador educacional para ter certeza de que estará satisfazendo os requisitos de admissão.
O seu orientador educacional poderá dizer se você precisará passar um ou dois anos adicionais preparando-se para a admissão em uma universidade americana. Se um estudante internacional entrar em uma universidade ou faculdade nos EUA antes de estar qualificado para entrar em uma universidade no seu próprio país, o governo ou os empregadores de alguns países poderão não reconhecer os estudos feitos nos EUA.

Ano acadêmico:

O ano letivo costuma iniciar em agosto ou setembro e vai até maio ou junho. A maioria dos novos estudantes começa no outono, por isso é uma boa ideia que os estudantes internacionais também comecem seus estudos universitários nos EUA na mesmo período. Há muita empolgação no início do ano letivo e os estudantes podem fazer ótimas amizades nessa época, quando estão se ajustando a uma nova fase da vida acadêmica.
O ano acadêmico em muitas faculdades é composto de dois períodos chamados de "semestres". (Algumas escolas usam o calendário de três períodos, conhecido como sistema trimestral). Outras escolas dividem o ano em um sistema de quatro trimestres, incluindo uma sessão opcional de verão. Basicamente, quando se exclui a sessão de verão, o ano acadêmico é composto de dois semestres ou de três trimestres.

O sistema de educação superior dos EUA: Níveis de estudo

  • Primeiro nível: Graduação ("Undergraduate")
Um estudante que frequenta uma faculdade ou universidade e que ainda não obteve o seu grau de bacharel, faz estudos em nível de graduação. Normalmente são necessários quatro anos para obter o bacharelado. Você pode começar seus estudos para obter o grau de bacharel em um community college ou em uma universidade ou faculdade de quatro anos.
Nos primeiros dois anos de estudos, você geralmente terá que cursar uma variedade de matérias, chamadas de pré-requisito: literatura, ciências, ciências sociais, artes, história, etc. O motivo disso é adquirir um conhecimento, uma base geral sobre uma variedade de assuntos antes de se concentrar em um campo específico de estudos.
Muitos estudantes preferem estudar em um community college para fazer os primeiros dois anos das matérias de pré-requisito. Eles obterão o grau de transferência de Associate of Arts (AA), para então poderem se transferir para uma universidade ou faculdade de quatro anos.
Um "major" (área principal de concentração) é o campo específico de estudo do seu diploma. Por exemplo, se a área principal de concentração de uma pessoa for jornalismo, o diploma que a pessoa obterá ao final do curso será um bacharelado de Ciências Humanas em Jornalismo (Bachelor of Arts in Journalism). Você terá que fazer um certo número de matérias neste campo para atender aos requisitos de formatura do seu curso. É preciso escolher a área principal de concentração no começo do terceiro ano de estudos.
Uma característica típica do sistema de educação superior americano é o fato de você poder mudar a sua área principal de concentração muitas vezes, se assim o desejar. É muito comum os estudantes americanos mudarem de curso durante os estudos de graduação. Frequentemente, os estudantes acabam descobrindo um outro campo de estudos mais interessante. O sistema de educação americano é muito flexível. Lembre-se que o fato de mudar de curso (área principal de concentração) pode fazer com que seja preciso cursar mais matérias, o que significa mais tempo e dinheiro.
  • Segundo nível: Pós-graduação em busca de um mestrado
Atualmente, uma pessoa formada com grau de bacharel deve pensar seriamente em fazer pós-graduação para poder exercer certas profissões ou avançar em sua carreira. A pós-graduação é obrigatória em posições de nível mais alto em Biblioteconomia, Engenharia, Saúde Comportamental e Pedagogia.
O curso de pós-graduação geralmente é uma divisão da universidade ou faculdade. Para ser aceito, você precisará fazer o exame GRE (Graduate Record Examination). Alguns cursos de mestrado exigem testes específicos, tais como o LSAT para Direito, o GRE ou GMAT para Administração de Empresas e o MCAT para Medicina.
Os cursos de mestrado costumam levar de um a dois anos para serem feitos. Por exemplo, o MBA (Mestrado em Administração de Empresas) é um curso muito procurado que costuma levar dois anos em média. Outros cursos de mestrado, como Jornalismo, levam apenas um ano.
A maior parte do tempo de um curso de mestrado é passada em salas de aula; o estudante de pós-graduação deve preparar um longo trabalho de pesquisa denominado "tese de mestrado" ou fazer um "projeto de mestrado".
  • Terceiro nível: Pós-graduação no nível de doutorado
Muitas escolas de pós-graduação consideram o mestrado como o primeiro passo para a conquista de um PhD (doutorado). Porém, em outras escolas, os estudantes podem preparar-se diretamente para o doutorado sem ter feito um mestrado. O doutorado (PhD) pode levar três anos ou mais. Para estudantes internacionais, pode estender-se até cinco ou seis anos.
Durante os primeiros dois anos do curso, a maioria dos candidatos do doutorado se inscrevem em cursos e seminários. Pelo menos um outro ano é passado fazendo pesquisa e escrevendo uma tese ou dissertação. Esse trabalho deve conter pareceres, projetos ou pesquisas que não tenham sido publicados anteriormente.
A dissertação do doutorado é uma discussão e um resumo do conhecimento acadêmico sobre um determinado tópico. A maioria das universidades americanas com curso de doutorado também exige que os candidatos tenham capacidade de leitura em pelo menos dois idiomas estrangeiros, passem um certo período de tempo como residentes, façam um exame de qualificação que admita oficialmente os candidatos ao curso de PhD, e façam um exame oral sobre o mesmo tópico da dissertação.

Características do sistema de educação superior americano

Ambiente das salas de aula
"Um desafio foi o modo de matrícula nas matérias e a elaboração de um plano acadêmico. Eu realmente não sabia o que estudar porque podia escolher entre muitos cursos. Reuni-me com Angela Khoo (orientadora acadêmica) sobre as matérias que poderia cursar e então ficou muito mais fácil para mim."
As aulas variam desde dissertações em grandes anfiteatros com centenas de estudantes, a turmas menores e seminários (aulas de debates) com poucos alunos. A atmosfera nas salas de aula das universidades americanas é muito dinâmica. Espera-se que os estudantes expressem suas opiniões, defendam seus pontos de vista, participem de debates nas aulas e façam apresentações. Os estudantes internacionais consideram este um dos aspectos mais surpreendentes do sistema de educação americano.
Semanalmente, os professores determinam materiais de leitura de livros didáticos e outros. A pessoa deve cumprir com as leituras exigidas e as tarefas de casa para que possa participar dos debates durante a aula e entender as palestras. Alguns cursos de pós-graduação também exigem que os estudantes participem de trabalhos em laboratório.
Os professores dão notas para cada estudante matriculado na matéria. As notas costumam ser baseadas em:
  • Cada professor tem um conjunto próprio de requisitos de participação durante a aula, mas espera-se que os estudantes participem em debates durante as aulas, especialmente nos seminários. Isso costuma ser um fator muito importante na determinação da nota do estudante.
  • Um exame no meio do período geralmente é ministrado durante o horário de aula.
  • Um ou mais trabalhos de pesquisa ou dissertação, ou relatórios de laboratório devem ser apresentados para avaliação.
  • Há a possibilidade de pequenos exames ou testes. Às vezes, os professores podem aplicar um teste de surpresa. Esse tipo de teste não tem um peso muito grande na nota final, mas visa fazer com que os estudantes se mantenham em dia com as tarefas e com a frequência às aulas.
  • exame final é realizado após a última aula do curso.
Créditos
Cada matéria vale um certo número de créditos ou horas de crédito. Esse número equivale aproximadamente ao número de horas que o estudante passa em sala de aula por semana para uma determinada matéria. Uma matéria costuma valer de três a cinco créditos.
Um curso de tempo integral na maioria das escolas vale de 12 a 15 horas de crédito (quatro ou cinco cursos por termo) e é preciso cumprir um determinado número de créditos para se formar. Os estudantes internacionais devem se matricular em uma carga horária integral de matérias a cada termo.
Transferências
Se um aluno se inscrever em uma outra universidade antes de se formar, geralmente a maioria dos créditos acumulados na primeira universidade podem ser usados para a graduação na nova universidade. Isso significa que um estudante pode transferir-se para outra universidade e ainda assim se formar dentro de um período de tempo razoável.

Tipos de educação superior nos EUA

"Gosto do fato de os horários serem flexíveis, as aulas divertidas e da variedade de atividades em que posso participar."
Xujie Zhao, da China Rede de computadores no Wentworth Institute of Technology

1. Faculdade ou universidade estadual

A universidade estadual é mantida e custeada pelo governo estadual ou municipal. Todos os 50 estados americanos têm pelo menos uma universidade estadual e, possivelmente, várias faculdades estaduais. Muitas dessas universidades públicas têm o nome do estado, ou mesmo a palavra "State" como parte do seu nome, por exemplo: Washington State University e University of Michigan.

2. Faculdade ou universidade particular

Essas instituições são mantidas por entidades particulares ao invés de departamento governamental. A anuidade costuma ser mais alta do que em instituições estaduais. Geralmente, as universidades e faculdades americanas particulares são menores do que as instituições estaduais.
As universidades e faculdades religiosas são instituições particulares. Quase todas essas escolas recebem estudantes de todas as crenças e religiões. No entanto, uma porcentagem dessas escolas prefere admitir estudantes com as mesmas crenças religiosas em que se baseia a instituição.

3. Community College

Os community colleges são instituições de nível superior de dois anos de duração que emitem o grau de "associate" (transferível) e certificados. Existem muitos tipos de graus de "associate", mas o fator de diferenciação mais importante é se a formação é transferível ou não. Normalmente, existem dois tipos de formação: uma que visa a transferência acadêmica, e outra que prepara os estudantes para entrar diretamente no mercado de trabalho. A formação com transferência para universidade costuma ser o "associate of arts", de ciências humanas, e o "associate of science", de ciências exatas e biológicas. Os graus de "associate of applied science", de ciências aplicadas, e os certificados de conclusão não costumam ser transferíveis.
Normalmente, as pessoas que se formam em community colleges costumam se transferir para faculdades ou universidades de quatro anos para completar o curso superior. Pelo fato de poderem transferir os créditos obtidos em estudos no community college, conseguem terminar o curso de graduação (bacharelado) em dois ou mais anos. Muitos também têm cursos de inglês intensivos ou de inglês como segunda língua (ELS), que preparam os estudantes para cursos de nível superior.

4. Instituto de Tecnologia

Um instituto de tecnologia é uma escola que oferece pelo menos quatro anos de estudos nas áreas de ciências e tecnologia. Alguns têm cursos de graduação, ao passo que outros oferecem cursos de curta duração.

Obrigado pela visita, volte sempre.

sábado, 28 de fevereiro de 2015

Conceito de Lugar em Geografia



Depois do estudo dos conceitos de Paisagem Natural e Paisagem Humanizada, a turma 1015, trabalhou o conceito de Lugar . Veja o que dizem alguns estudiosos:

"Lugar constitui a dimensão da existência que se manifesta através de um cotidiano compartido entre as mais diversas pessoas, firmas, instituições–cooperação e conflito são a base da vida em comum" (Milton Santos, 1997).

"Muito além de um espaço físico, de uma paisagem repleta de elementos e de referências peculiares passíveis de descrições objetivas e racionalizadas, o lugar, na visão humanística, constitui-se como uma paisagem cultural, campo da materialização das experiências vividas que ligam o homem ao mundo e às pessoas, e que despertam os sentimentos de identidade e de pertencimento no indivíduo. É, portanto, fruto da construção de um elo afetivo entre o sujeito e o ambiente em que vive "blog conceitos e temas
"Reconheço o lugar como uma arrumação que produz o singular ...Vejo o lugar como um dos referenciais indispensáveis à vida, nas esferas do cotidiano, do trabalho, dos afetos e dos ideais " Eduardo Yázigi
Juntando todas essas idéias anteriormente expostas podemos definir Lugar geograficamente como: Lugar é a parte da paisagem onde vivemos e interagimos. É onde criamos nossa identidade, o nosso cotidiano.

 Veja agora a seguir como ficou interessante juntar uma ou duas frases de cada umdos alunos da turma para formar um relato bem legal da região da baixada de jacarepaguá. A proposta era escrever um relato pessoal intitulado :

Este é o meu Lugar
Acho que o termo certo seria " os meus lugares" mas enfim... IsisDe segunda a sexta eu tenho que acordar cedo pois estudo ....Diana ... no colégio Vicente jannuzzi e moro na comunidade beira-Rio Recreio... cristielle ... meu dia a dia é completamente inacretitavel...Luana
...
vamos começar por onde eu moro no Terreirão, Recreio dos banderantes. Moro perto da praia da Macumba que é dividida por uma pedra , alí na reta já é a estrada do Pontal...Mariana... Há 17 anos moro na Cidade de Deus , CDD como é bastante conhecida e durante muito tempo foi esquecida pelos nossos governantes e dominada pelo tráfego de drogas....Felipe dos Santos ..... meu lugar é o bairro jardim clarisse-Anil local plano com mistura de paisagens naturais e humanizadas e tem como referência a pedra da Panela...Laís ...moro numa favela onde faz pouco tempo que chegou o asfalto.... Nathalia ...moro na Vila Valqueire desde que nasci... eu ando 18 minutos até o ponto de onibus , dou praticamente a volta ao mundo....Raquel... moro na Pedra de Guaratiba que se localiza na zona Oeste da cidade do Rio de janeiro. camila . ...As residências do lugar onde moro são todos edifícios que fica no Rio das Pedras. Vou caminhando e vejo rios, morros e também paisagens modificadas pelo homem . Jackson .A rua onde moro chama-se Nair Sabina que o nome da minha tataravó. A minha família é uma das mais antigas lá da Vila Sapê no bairro de Curicica ... na minha rua só se ouve o barulho do vento e se vê as folhas voando...Natharaysa...quando saio de casa o sol já raiou... Rebeca ...o dia já esta quente mesmo já tendo acabado o horário de verão , cerca de 30 graus ... Juan ...como eu tenho pego o ônibus mais cedo eu pego ele vazio e vou sentada mas quando chega na fontela lota! samara ...... no caminho vejo pessoas indo para o trabalho, os ônibus estão superlotados... Adrielly... neste trajeto passo por paisagens naturais como lagos , mares , montanhas e florestas e também humanizadas como prédios, shoppings...katharina ....vejo o comércio abrindo , vejo a construção do tunel da barra que vai passar a linha 4 do Metrô...Pâmela... o comércio aumentou , vejo supermercados, shopings e pequenas empresas... Juliana ....passo pela lagoa da Barra e a partir daí , a paisagem fica totalmente urbanizada. Só se vêm shoppings, supermercados, prédios... carla ...
....já próximo a escola a temperatura é bem agradável por causa do vento que vem do mar e da vegetação...Nathália...bem pertinho da escola tem um grande bosque , com muito verde, lagos e pássaros , um ambiente bem legal... Teraysa ....quando passa o condomínio Novo Leblom já me levanto para descer... atravesso a rua para poder chegar a escola... Milena ..O colégio é um lugar bom , onde pessoas bem diferentes se reunem, brancos, negros , pequenos e grandes enfim é um exelente lugar. Adriano ...O lugar onde o colégio foi construído é uma área plana em frente ao Bosque da Barra , fico satisfeita em saber que não corre o risco de desabamento por não ser área de encosta ... Daniella...saindo da escola tenho que atravessar quatro pistas muito perigosas, com trãnsito intenso e nós alunos nos arriscamos pois temos preguiça de caminhar mais um pouco até o sinal....IrisAo tomar o ônibus em direção a minha casa vejo coisas que as pessoas normalmente não prestam atenção como bairros menos favorecidos ou a falta de planejamento no trânsito da Taquara, por exemplo....Robson...exemplos de desmatamentos na Barra são visíveis e os rios que de relance dá pra ver, estão bem poluídos... Gabriel BrownMeu lugar é meu espaço , onde vivo e onde estudo ... Ursula 

Veja o outro  conceito também trabalhado pela turma " diferença entre paisagem natural e paisagem humanizada " 
http://salacristinageo.blogspot.com.br/2011/02/paisagem-natural-e-paisagem-humanizada.html 

fonte: http://salacristinageo.blogspot.com.br/2011/04/conceito-de-lugar-geografia.html 

Obrigado pela visita, volte sempre.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...