Pular para o conteúdo principal

CARTILHAS : Métodos de leituras : cartilhas escolares

 

CARTILHAS : Métodos de leituras : cartilhas escolares[1]


Denominações posteriores: Cartilha Nacional
Descritores: Educação, História da Educação


Na primeira metade do século XIX, formar leitores no Brasil implicava conviver com um conjunto  reduzido  de  material  impresso  para  o  ensino  da  leitura. Uma parte desse era de natureza religiosa (Bíblia, Evangelho) ou legal (Constituição Política do Império, Código Criminal) tal como previa o art.6º da Lei Imperial de 15 de outubro de 1827. Foi a partir da segunda metade do século XIX que começaram , com mais freqüência, a surgir, no país, livros nacionais de leitura destinados especificamente às séries iniciais da escolarização. As cartilhas escolares passam  a ser utilizadas nas escolas primárias.



 














         A palavra cartilha, que vem de cartinha, remonta, por seu turno, às situações mais corriqueiras e freqüentes: até o século XIX, boa parte (muitas vezes a maioria) dos textos escritos que as crianças traziam de casa para utilizá-los na escola como materiais de ensino de leitura eram manuscritos: dentre esses, as cartas, certidões, relatos de viagens. Muitos dos meninos e meninas que, em Portugal, aprenderam a ler, inicialmente o fizeram mediante a leituras de cartinhas...(...).Ao analisar a Cartilha Nacional utilizada nas escolas primárias, escrita por HILARIO RIBEIRO, foi empregado esse método no IMPERIAL LYCEU DE ARTES E OFFICIOS. A sua 1ª edição foi em 1885 e, segundo o Prefácio do Autor , ela foi resultado de suas experiências com o ensino simultâneo da leitura com a escrita, pelo método fônico.O método da Cartilha Nacional constituía em: depois que o aluno tiver uma idéia clara e consciente de que as vozes são representadas na escrita pelas vogais, e analisados os respectivos valores de cada uma, passará o professor a discriminar os elementos fônicos das invogais, começando pelo v que tem valor certo e proferivel. O método proposto é sintético (que partem de segmentos menores da língua que sintetizados formarão o todo).Do ponto de vista histórico podemos observar através do seu trabalho o realce ao valor moral e cívico. Por exemplo :



 
















No final do século XIX a leitura era um dispositivo importante para a educação cívica e moral, que poderia ser adquirida através dos livros de leitura que, segundo ele, eram a “mola real do ensino”. A ideologia que informa os aspectos ligados à cidadania nos textos das cartilhas geralmente se refere à família, à escola e à pátria. A família é apresentada nas cartilhas como um mundo à parte em si e para si, desvinculada da realidade social e econômica. Os textos moldam uma personalidade de indivíduo subordinado às autoridades públicas e desprovido de visão do mundo de tipo participativo. Entretanto , são esparsas as informações sobre as cartilhas entre os séculos XIX e XX.

Fonte:
BOTO,C- Aprender a ler entre cartilhas: civilidade, civilização e civismo pelas lentes do livro didático.
CARTILHA NACIONAL – HILARIO RIBEIRO.

Responsável pela pesquisa: Solange Ap.ª de  O . Collares e Profª Dra Maria Isabel Moura Nascimento.
Responsável pela redação: Solange Ap.ª de O. Collares
Colaboradores:




[1] Verbete organizado por: Solange Ap.ª de  O . Collares e Profª Dra Maria Isabel Moura Nascimento

Obrigado por sua visita, volte sempre.
pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…