Pular para o conteúdo principal

Arte contemporânea: produção e fruição no Fundamental I: Projeto ganhador do XIII Prêmio Arte na Escola (realizado em 2012) na categoria: Educação Fundamental I.

Arte contemporânea: produção e fruição no Fundamental I


Projeto ganhador do XIII Prêmio Arte na Escola (realizado em 2012) na categoria: Educação Fundamental I.

Dica do professor

"Um bom projeto deve ter uma fundamentação teórica e conceitos que sustentem as ideias a serem trabalhadas, levando em conta que a arte é uma coisa fluída, em movimento. Cabe ao educador criar condições para que os alunos possam desenvolver suas linguagens de forma criativa e autônoma". 
Maria da Paz Melo / Santa Rita de Sapucaí (MG)
Escola Municipal Valéria Junqueira Paduan

O projeto

Buscou a construção de uma consciência estética em relação à arte contemporânea, como linguagem e forma de comunicação. Trabalhou o sensível e a percepção, entendendo o aprendizado a partir do fazer pensando – em que a produção versus a criatividade foram adequadas ao desenvolvimento de cada criança.
Linguagem: Artes Visuais

Objetivo

Possibilitar as crianças serem responsáveis pela própria produção, desenvolvendo a sensibilidade e a criatividade ao conciliar a imaginação e a vivência do aluno no processo voltado para a arte contemporânea.

Conteúdos da arte

O livro “Teoria e prática do ensino de arte” e os ensinamentos de Gisa Picosque e Ana Mae Barbosa fundamentaram o projeto. Técnicas e materiais mistos envolvendo simultaneamente a colagem, o desenho e a pintura.

Como fazer:

> Pesquisar a linha de trabalho em toda a sua potencialidade;
> Dialogar com os alunos sobre materiais e suportes;
> Desenvolver a linguagem do desenho usando canetas, gravetos ou marcadores para que as crianças adquiram segurança no traço;
> Apresentar a arte produzida nas últimas décadas, de forma que os alunos assimilem estilos diferentes de se trabalhar com materiais não padronizados. A pintura abstrata de Tapiés, Mondrian e Matisse, com suas linhas, manchas e formas funcionam como uma introdução à arte contemporânea;
> Solicitar para os pais, para a comunidade do entorno e empresas materiais recicláveis como papelões, plásticos, tecidos, imagens de livros ou revistas, embalagens de todo tipo, fios diversos, anilina, tintas, pigmentos, durex e colas;
> Explorar a liberdade da contemporaneidade com orientação, a partir de algum artista plástico que tenha relação com a proposta de incentivar o imaginário, a concentração e a tomada de decisões.

O que aprenderam

As crianças aprenderam ser possível fazer arte a partir de elementos aparentemente antagônicos e a observar os trabalhos, seus e dos colegas. Ao utilizar técnicas mistas adquiriram vários conhecimentos quanto aos inúmeros tipos de suportes, pastéis, tintas, pigmentos. Esqueceram conceitos como feio e bonito. Desaprenderam a desenhar corações e casinhas padronizadas e aprenderam que é preciso pensar antes de começar a produção - que só se aprende fazendo. E as respostas deverão ser dadas pelos alunos – construtores do próprio conhecimento.

A voz da especialista

"Uma das riquezas de um prêmio é a possibilidade de mostrar para o mundo o trabalho feito, e quem sabe, sugerir outras formas de ensinar arte. No caso da professora Maria da Paz, ela foi capaz de mostrar o universo das artes plásticas, linguagem distante do cotidiano daquelas crianças, mesmo sem estrutura, sem acesso a museus, nem a bibliotecas. Conseguiu, também, dar liberdade para que estes alunos se expressassem e desenvolvessem o seu lado artístico, mostrando que a arte não deve ser somente contemplada, mas também experimentada.
Isabel Pato – Graduada em Relações Internacionais e mestranda em antropologia, ambas pela PUC de São Paulo. Atua em ONGs com projetos educacionais e de cultura. Integrante da Comissão de Avaliação Nacional do XII Prêmio.

Documentário



Referências

Documentários: 

ARTE e matéria. Dir. Maria E. Rabello. São Paulo: SescTV, 2000. (O mundo da arte). Acompanha material educativo para professor-propositor. DVDteca Arte na Escola.
KARIN Lambrecht: de corpo e alma. Dir. Zezo Cintra. São Paulo: SescTV, 2002. (O mundo da arte). Acompanha material educativo para professor-propositor. DVDteca Arte na Escola.
MARCOS Coelho Benjamim: o fazedor de coisas. Dir. Cacá Vicalvi. São Paulo: SescTV, 2002. (O mundo da arte). Acompanha material educativo para professor-propositor. DVDteca Arte na Escola.
MONUMENTOS de Franz Weissmann. Dir. Amilcar M. Claro. São Paulo: SescTV, 2001. (O mundo da arte). Acompanha material educativo para professor-propositor. DVDteca Arte na Escola.
NUNO Ramos: arte sem limites. Dir. Maria E. Rabello. São Paulo: SescTV, 2000. (O mundo da arte). Acompanha material educativo para professor-propositor. DVDteca Arte na Escola.
RECORTES de Leda Catunda. Dir. Amilcar M. Claro. São Paulo: SescTV, 2001. (O mundo da arte). Acompanha material educativo para professor-propositor. DVDteca Arte na Escola.
Livros e catálogos: 

CANTON, Katia. Escultura aventura. São Paulo: DCL, 2004.
MATERIALIDADE: dez artistas brasileiros contemporâneos e os materiais. São Paulo: Instituto Tomie Ohtake, 2010.
fonte: http://artenaescola.org.br/boletim/materia.php?id=69535&

Obrigado pela visita, volte sempre.

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Você sabe, o que é Apostilamento de diploma. (CNS/CES).

Gostaria de falar com os estudantes de pedagogia como eu, que existe o apostilamento de diplomas. Uma vez na aula de legislação educacional, nosso professor falou sobre o apostilamento de diplomas. Mas o que vem a ser este ato.
Apostilamento de diplomas
É o registro feito no diploma quando o aluno apresenta conclusão de estudos adicionais.
O apostilamento de estudos adicionais de cursos concluídos antes da Lei Federal n.º 7044/82, deve ser feito pela Secretaria de Estado de Educação.
O apostilamento de estudos adicionais em diplomas de cursos concluídos depois da Lei Federal n.º 7044/82, deve ser feito pela escola que ofereceu o curso.
Documentos necessários: Diploma, histórico escolar.
Endereços das Superintendências

Apostilamento de Diploma Pedagogia
Vamos dar um ex.: Você que cursou bacharelado em pedagogia, pela nova lei de diretrizes, se você passar em um concurso público para a vaga de professor não poderá assumir o cargo. Gostaria de contar um caso verídico que aconteceu comigo.
Eu part…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…