Pular para o conteúdo principal

Câmeras digitais - Máquinas fotográficas modernas e potentes

Câmeras digitais - Máquinas fotográficas modernas e potentes

Câmeras digitais: tire fotos com praticidade e qualidade

As câmeras digitais já dominaram o mercado. Entre suas vantagens está poder escolher as imagens que deseja manter, ver como ficou a foto logo após batê-la e melhorá-la com qualquer programa de edição. Bem, para comprar uma digital é necessário conhecer algumas características próprias destas câmeras e escolher a que melhor se adequa ao seu perfil de usuário. Para isto, o Zura! fez este Guia de Compras para você conhecer um pouco mais destas potentes máquinas.

Modelos de máquinas digitais

Características das digitais

Conheça os elementos característicos das máquinas digitais:

- Resolução: principal elemento trabalhado em uma câmera digital. As fotos são medidas em pixels e quanto maior for este valor, melhor será a definição e a capacidade de ampliação da imagem;

- Sensor de imagem: o sensor captura a luz e a converte em um arquivo digital. Uma câmera pode ter um sensor CCD, usado para imagens de alta qualidade e mais sensível à luz, ou CMOS, com menor qualidade e sensibilidade;

- Bateria: a autonomia da máquina depende do tipo de bateria que é utilizado. Alguns modelos podem usar baterias internas recarregáveis ou pilhas recarregáveis AA, mais recomendáveis, por serem facilmente substituídas;

- Armazenamento: esta capacidade determina o número de fotos que podem ser armazenadas. Antigamente, a memória vinha dentro da máquina e não podia ser ampliada, mas, atualmente, as câmeras já usam cartões de memória flash;

- Conectividade: a interface de conexão é o que permite descarregar as fotografias da câmera para o PC. Atualmente, a maioria das digitais vêm com porta USB e algumas também com um cabo de conexão para TV, permitindo a exibição das fotos na tela;

- Zoom: em geral, o zoom total é a soma do zoom óptico, que aproxima ou afasta o objeto fotografado com o digital, que amplia a imagem digitalmente. Mas cuidado, o zoom óptico é o primeiro a ser usado, então se o total for de 5x, o óptico pode ser de 3x e o digital de 2x;

- Controles de disparo e exposição: as câmeras têm a opção de disparador automático e controle manual, que quanto mais possibilidades tiver, mais cara será a máquina. Quanto aos parâmetros de exposição, a variedade de aberturas não é tão grande;

- Tempo entre uma foto e outra: uma boa digital deve registrar as imagens tão rápido quanto apertamos o botão, característica que distingue uma câmera boa das demais.

Recursos adicionais

Máquinas mais modernas já dispõem de alguns recursos além dos básicos, que podem ser:

Vídeo - grande parte dos modelos já permite gravar vídeos com áudio;

Gravação de sons - alguns modelos permitem gravar sons para acompanhar a foto, recurso útil para registrar informações sobre as fotos ou apenas gravar o som ambiente;

Impressão das fotos - caso seja compatível, a câmera pode ser conectada à impressora, imprimindo diretamente as fotos;

Edição de imagem - já é possível tratar as imagens na própria câmera, sem precisar de um programa de computador;

Detector de sorrisos - uma espécie de sensor presente nas câmeras mais modernas, que faz a máquina disparar ao detectar o sorriso dos fotografados;

Visor touch screen - alguns modelos dispõem de tela sensível ao toque, facilitando a navegação pelo menu;

Breve glossário

- Abertura: pequena abertura circular dentro da lente, que controla a quantidade de luz que atinge o sensor da máquina ao bater uma foto;

- Auto contraste do branco: a máquina ajusta automaticamente o contraste do branco para combinar a cor do objeto;

- Auto-exposição: cálculo automático da melhor combinação da velocidade da abertura do obturador com as condições de luz do ambiente;

- Auto foco: focalização automática da câmera;

- Buffer: memória que armazena as fotos digitais na câmera antes de gravá-las na placa de memória;

- Compensação de exposição: abaixar ou aumentar a exposição para criar efeitos;

- Compressão: processo de diminuição do tamanho das imagens, por meio de algoritmos;

- Cropping: corte de uma imagem digital;

- Definição: a definição é uma medida de qualidade da imagem e é expressa nos megapixels;

- Display: tela LCD que permite que o usuário reveja a foto e acesse outras informações como o status da bateria, número de fotos tiradas, entre outras;

- DPI: sigla para dots per inch, que é a medição da resolução de uma foto ou dispositivo digital. Quanto maior for este número, maior é a resolução;

- Efeitos: características de câmeras que permitem adicionar efeitos gráficos nas fotos;

- Escala do zoom: este valor é medido também com o X, representando um multiplicador. Por exemplo, um zoom de 35-105 mm é escrito também como zoom de 3X;

- Foco manual: permite que o usuário focalize manualmente a câmera. Bom para lugares de pouca luz ou em fotos de muita precisão;

- ISO: significa Organização de Padrões Internacionais e é o sistema que permite dobrar a sensibilidade de claridade. Um ISO 200, 400, 800 ou 1600, por exemplo, significa que é possível ajustar a sensibilidade do CCD para situações com pouca luz;

- JPG ou JPEG: formato padrão de arquivo de imagens digitais;

- Modalidades de cena: ajustes pré-definidos para alguns tipos de imagens como fotografia de esportes, retratos, paisagens, etc;

- Ruído: áreas de informação que faltam em uma imagem digital. Em alguns casos, em câmeras com menos pixels, as imagens podem sair com muito brilho ou muito escuras;

- Saturação: nível de intensidade da cor. As cores altamente saturadas podem fazer com que as imagens pareçam irreais;

Bem, agora que você já conheceu um pouco melhor as câmeras digitais é só fazer a busca que o Zura! acha para você. Boas compras!

Para comprar a câmera digital certa para você basta clicar aqui, escolher a marca, o modelo e clicar no botão “ir à loja”.

Fonte: http://guias.zura.com.br/2008/05/21/cameras-digitais-maquinas-fotograficas-modernas-e-potentes/#more-116

Obrigado por sua visita, volte sempre.

pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…