ABAIXO OS SEGUIDORES DESTE BLOG OBRIGADO POR ACOMPANHAR NOSSO BLOG.

Seguidores

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Conteúdo Laboral do Professor Universitário


  


Conteúdo Laboral do Professor Universitário

Autor: Darci Kops
Data: 16/10/2012
Resumo
O presente artigo tem como foco e consideração o papel do professor universitário, colocando em questão o saber e o fazer pedagógico do referido profissional, o correspondente perfil do professor universitário. Em decorrência, coloca em análise o conteúdo laboral do professor universitário, examinando suas principais funções e atribuições profissionais. Ressalta as três dimensões do fazer pedagógico do professor universitário abrangendo as questões de ensino, de pesquisa e de extensão.
Palavras-chave
Professor universitário; conteúdo laboral; competências profissionais; multirreferencialidade.
O saber e o fazer pedagógico
Os saberes e os fazeres pedagógicos de um professor universitário necessitam estar recheados pela multirreferencialidade de conhecimentos, de habilidades e de atitudes. O professor universitário não pode sofrer da "síndrome da monofonte" que se caracteriza pela pobreza de referenciais. Sejam referenciais internos, sejam referenciais externos. Isso remete para uma dinâmica persistente e contínua de acessibilidade e de leitura dos melhores mananciais de referenciais. Dois mananciais imprescindíveis e inesgotáveis, ou seja, o manancial de referenciais externos, e o manancial de referenciais internos. O mundo é um manancial de referencial externo. A ciência é uma manancial de referencial externo. A sabedoria é um manancial de referencial externo. Os cases são um manancial de referencial externo. Por sua vez, as reflexões, os questionamentos, as inferências, a curiosidade, as dúvidas, as perguntas, as hipóteses, as avaliações, os feedbacks, as sínteses, são um manancial de referencial interno.
O perfil do professor universitário
 As dimensões - cidadania, profissionalismo e universalidade - marcam presença no delineamento do perfil do professor universitário. Praticar profissionalismo, exercitar cidadania, e transpirar universalidade paradigmática e cultural de saberes e de fazeres, passam a serem expectativas e desafios que cercam o eterno aprender a ser professor universitário. Qualquer delineamento de perfil, em especial do professor universitário, não pode declinar e descuidar dessas três dimensões de convivência humana, ou seja, a dimensão cidadania, a dimensão profissionalismo, e a dimensão da universalidade cultural e paradigmática.
O conteúdo laboral do professor universitário
Quando a LDB/1996 estabeleceu para as Universidades as denominadas três funções - ensino, pesquisa e extensão - de certa forma é possível dizer, por decorrência, que a mesma delineou, também, o conteúdo laboral do professor universitário. Hoje, o conteúdo laboral do professor universitário contempla essas três funções de ensino, de pesquisa e de extensão. O conteúdo laboral do professor universitário não pode se restringir a uma única dessas funções citadas. Não estaria suprindo, no seu todo, a compreensão a respeito de ser um professor universitário, compreensão que prevalece a partir da interpretação da LDB/1996.
 Dentro dessa perspectiva, veja a seguir, abaixo, o diagrama que tenta traduzir, na vida cotidiana, o conteúdo laboral  do professor universitário:
Cargo ->  Professor Universitário = Conteúdo Laboral  ->  Funções

Dilemas correspondentes ao conteúdo laboral do professor universitário
 Alguns dilemas são inerentes ao exercício das práticas profissionais do professor universitário. Vale ressaltar: (1) dilemas de conteúdo; (2) dilemas de processo.
 Os dilemas de conteúdo colocam em questionamento: (a) a definição do conteúdo; (b) a significância do conteúdo; (c) a construção do conteúdo; (d) a aplicabilidade do conteúdo (e) a criatividade do conteúdo; (f) a inovação do conteúdo; a pertinência do conteúdo.
 Os dilemas de processo colocam em questionamento: (a) a qualidade do processo; (b) a metodologia do processo; (c) a pedagogia do processo; (d) a acessibilidade do processo; (e) a co-participação do processo; (f) a racionalidade do processo.
 Nos dilemas de conteúdo, estão em jogo, os conteúdos relativos ao ensino, pesquisa e extensão.
  Nos dilemas de processo, estão em jogo, os processos relativos ao ensino, pesquisa e extensão.
    
O conteúdo e o processo do fazer pedagógico do professor universitário
 O fazer pedagógico do professor universitário se reveste de uma singularidade, de um pluralismo e de uma universalidade relevante e, de certa forma, ímpar. Singularidade, pluralismo e universalidade, seja no conteúdo dos seus saberes e fazeres, seja no processo dos seus saberes e fazeres. O perfil é singular, plural e universal. As funções são singulares, plurais e universais. As atribuições são singulares, plurais e universais.
 Porém, quem entra em cena é uma pessoa ciente de uma missão dignificante, de um legado nobre a ser construído e a ser repassado para as novas gerações. Alguém com o potencial de ser um referencial, de servir de referencial, de construir referenciais. Alguém com sensibilidade social, bem como, capaz de leitura da realidade a partir de uma epistemologia social.
A perspectiva construtivista agrega valor à dimensão conteúdo na medida em que permite a co-construção do conhecimento. Por outro lado, também é possível dizer que a perspectiva construcionista agrega valor à dimensão processo na medida em que valoriza o diálogo, a interação e o relacionamento.
 As expectativas das novas gerações, a capacidade instalada do espaço social universitário, as demandas pontuais, as carências singulares e plurais, sejam elas sociais, culturais e/ou humanas, a multirreferencialidade, o construtivismo pedagógico, o construcionismo social, estão a exigir professores universitários com alta sensibilidade, e alta capacidade de um aprender a ser, aprender a fazer, aprender a conviver e aprender a aprender a ser esse demandado professor universitário.
Referências bibliográficas
DELORS, Jacques. Educação: um tesouro a descobrir. 2 ed. São Paulo: Cortez; Brasília/DF: MEC: UNESCO, 1999.
HOLANDA, Francisca H. O. et al. A Pedagogia das Competências e a Formação dos Professores breves considerações críticas. Revista Eletrônica Arma da Crítica. Ano 1. Número 1. Janeiro de 2009. Acessado na internet em 09/10/2012.
KOPS, Darci. Relações Interpessoais em Ambientes Educacionais. Artigo publicado on-line em: 29/04/2011 Artigonal.com
LDB - Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - Brasil - Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996.
MARTINS, João Batista. Contribuições epistemológicas da abordagem multirreferencial para a compreensão dos fenômenos educacionais. Artigo da Revista Brasileira da Educação. No 26, Maio /Jun /Jul /Ago 2004.
* Darci Kops
Professor universitário, assessor pedagógico, e consultor em gestão de pessoas, gestão comportamental, gestão organizacional e pedagogia empresarial.




Obrigado pela visita, volte sempre.
Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...