Pular para o conteúdo principal

Conteúdo Laboral do Professor Universitário


  


Conteúdo Laboral do Professor Universitário

Autor: Darci Kops
Data: 16/10/2012
Resumo
O presente artigo tem como foco e consideração o papel do professor universitário, colocando em questão o saber e o fazer pedagógico do referido profissional, o correspondente perfil do professor universitário. Em decorrência, coloca em análise o conteúdo laboral do professor universitário, examinando suas principais funções e atribuições profissionais. Ressalta as três dimensões do fazer pedagógico do professor universitário abrangendo as questões de ensino, de pesquisa e de extensão.
Palavras-chave
Professor universitário; conteúdo laboral; competências profissionais; multirreferencialidade.
O saber e o fazer pedagógico
Os saberes e os fazeres pedagógicos de um professor universitário necessitam estar recheados pela multirreferencialidade de conhecimentos, de habilidades e de atitudes. O professor universitário não pode sofrer da "síndrome da monofonte" que se caracteriza pela pobreza de referenciais. Sejam referenciais internos, sejam referenciais externos. Isso remete para uma dinâmica persistente e contínua de acessibilidade e de leitura dos melhores mananciais de referenciais. Dois mananciais imprescindíveis e inesgotáveis, ou seja, o manancial de referenciais externos, e o manancial de referenciais internos. O mundo é um manancial de referencial externo. A ciência é uma manancial de referencial externo. A sabedoria é um manancial de referencial externo. Os cases são um manancial de referencial externo. Por sua vez, as reflexões, os questionamentos, as inferências, a curiosidade, as dúvidas, as perguntas, as hipóteses, as avaliações, os feedbacks, as sínteses, são um manancial de referencial interno.
O perfil do professor universitário
 As dimensões - cidadania, profissionalismo e universalidade - marcam presença no delineamento do perfil do professor universitário. Praticar profissionalismo, exercitar cidadania, e transpirar universalidade paradigmática e cultural de saberes e de fazeres, passam a serem expectativas e desafios que cercam o eterno aprender a ser professor universitário. Qualquer delineamento de perfil, em especial do professor universitário, não pode declinar e descuidar dessas três dimensões de convivência humana, ou seja, a dimensão cidadania, a dimensão profissionalismo, e a dimensão da universalidade cultural e paradigmática.
O conteúdo laboral do professor universitário
Quando a LDB/1996 estabeleceu para as Universidades as denominadas três funções - ensino, pesquisa e extensão - de certa forma é possível dizer, por decorrência, que a mesma delineou, também, o conteúdo laboral do professor universitário. Hoje, o conteúdo laboral do professor universitário contempla essas três funções de ensino, de pesquisa e de extensão. O conteúdo laboral do professor universitário não pode se restringir a uma única dessas funções citadas. Não estaria suprindo, no seu todo, a compreensão a respeito de ser um professor universitário, compreensão que prevalece a partir da interpretação da LDB/1996.
 Dentro dessa perspectiva, veja a seguir, abaixo, o diagrama que tenta traduzir, na vida cotidiana, o conteúdo laboral  do professor universitário:
Cargo ->  Professor Universitário = Conteúdo Laboral  ->  Funções

Dilemas correspondentes ao conteúdo laboral do professor universitário
 Alguns dilemas são inerentes ao exercício das práticas profissionais do professor universitário. Vale ressaltar: (1) dilemas de conteúdo; (2) dilemas de processo.
 Os dilemas de conteúdo colocam em questionamento: (a) a definição do conteúdo; (b) a significância do conteúdo; (c) a construção do conteúdo; (d) a aplicabilidade do conteúdo (e) a criatividade do conteúdo; (f) a inovação do conteúdo; a pertinência do conteúdo.
 Os dilemas de processo colocam em questionamento: (a) a qualidade do processo; (b) a metodologia do processo; (c) a pedagogia do processo; (d) a acessibilidade do processo; (e) a co-participação do processo; (f) a racionalidade do processo.
 Nos dilemas de conteúdo, estão em jogo, os conteúdos relativos ao ensino, pesquisa e extensão.
  Nos dilemas de processo, estão em jogo, os processos relativos ao ensino, pesquisa e extensão.
    
O conteúdo e o processo do fazer pedagógico do professor universitário
 O fazer pedagógico do professor universitário se reveste de uma singularidade, de um pluralismo e de uma universalidade relevante e, de certa forma, ímpar. Singularidade, pluralismo e universalidade, seja no conteúdo dos seus saberes e fazeres, seja no processo dos seus saberes e fazeres. O perfil é singular, plural e universal. As funções são singulares, plurais e universais. As atribuições são singulares, plurais e universais.
 Porém, quem entra em cena é uma pessoa ciente de uma missão dignificante, de um legado nobre a ser construído e a ser repassado para as novas gerações. Alguém com o potencial de ser um referencial, de servir de referencial, de construir referenciais. Alguém com sensibilidade social, bem como, capaz de leitura da realidade a partir de uma epistemologia social.
A perspectiva construtivista agrega valor à dimensão conteúdo na medida em que permite a co-construção do conhecimento. Por outro lado, também é possível dizer que a perspectiva construcionista agrega valor à dimensão processo na medida em que valoriza o diálogo, a interação e o relacionamento.
 As expectativas das novas gerações, a capacidade instalada do espaço social universitário, as demandas pontuais, as carências singulares e plurais, sejam elas sociais, culturais e/ou humanas, a multirreferencialidade, o construtivismo pedagógico, o construcionismo social, estão a exigir professores universitários com alta sensibilidade, e alta capacidade de um aprender a ser, aprender a fazer, aprender a conviver e aprender a aprender a ser esse demandado professor universitário.
Referências bibliográficas
DELORS, Jacques. Educação: um tesouro a descobrir. 2 ed. São Paulo: Cortez; Brasília/DF: MEC: UNESCO, 1999.
HOLANDA, Francisca H. O. et al. A Pedagogia das Competências e a Formação dos Professores breves considerações críticas. Revista Eletrônica Arma da Crítica. Ano 1. Número 1. Janeiro de 2009. Acessado na internet em 09/10/2012.
KOPS, Darci. Relações Interpessoais em Ambientes Educacionais. Artigo publicado on-line em: 29/04/2011 Artigonal.com
LDB - Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - Brasil - Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996.
MARTINS, João Batista. Contribuições epistemológicas da abordagem multirreferencial para a compreensão dos fenômenos educacionais. Artigo da Revista Brasileira da Educação. No 26, Maio /Jun /Jul /Ago 2004.
* Darci Kops
Professor universitário, assessor pedagógico, e consultor em gestão de pessoas, gestão comportamental, gestão organizacional e pedagogia empresarial.




Obrigado pela visita, volte sempre.

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…