Pular para o conteúdo principal

Plano de Aula: Interpretação da História através de gravuras


História – 4ª série – 1º Bimestre

Plano de Aula: Interpretação da História através de gravuras


Objetivos:

• Reconhecer as obras de arte sobre o cotidiano brasileiro como parte de nossa história.

• Identificar as fotografias como instrumentos importantes na análise de momentos históricos.

• Compreender como os desenhos, as pinturas ou as fotos podem ter sido elaboradas de forma tendenciosa.

• Perceber que, no caso específico de Debret, são claros os traços da escola européia, que maquiaram a nossa realidade, mas que o primordial é notar qual a intenção do autor e não simplesmente discernir se o que ele retrata é a pura expressão da verdade.

Temas transversais:

• Ética: diálogo, respeito mútuo, solidariedade.

• Saúde: conscientização dos problemas da saúde na coletividade.

• Meio ambiente: conservação das terras.

• Pluralidade cultural: diferentes formas de transmissão de conhecimento e diversidades de culturas. Preservação da história.
Cidadania: direitos e deveres individuais e coletivos.

Material a ser utilizado:

Pesquisa de fotos, pinturas e desenhos de Jean-Baptiste Debret.

Cartolinas, canetas, papel, cola e tesoura para os cartazes.

Pesquisa na internet sobre os grandes historiadores brasileiros.

Procedimento

Etapas:


Sensibilização: pesquise fotos para mostrar aos alunos e questione-os sobre as imagens que vêem, que época elas retratam, os vestuários do período, costumes e outras características.

Verifique as informações que os alunos já conhecem sobre:

Pais e professores reclamam do tempo excessivo que muitos jovens gastam assistindo televisão ou navegando na internet.

Aprendemos que essa avalanche de imagens sobre a nossa história é extremamente útil aos nossos alunos na interpretação do passado.

Concretização: a utilização da imagem como documento histórico não é novidade. Quando a família real esteve no Brasil, providenciou investimentos na área cultural. Provavelmente saudosos da estética do “Velho Mundo”, trouxeram artistas para retratar e decorar a então colônia portuguesa.

Em 1816, chegou ao Rio de Janeiro a Missão Artística Francesa. Entre seus integrantes, estava Jean-Baptiste Debret, que deixou obras belíssimas sobre o cotidiano brasileiro. O desenho base da Bandeira Nacional, o retângulo verde sob o losango amarelo, foi criação de Debret.

Jean Baptiste Debret, nasceu no ano de 1768, em Paris, França. Sem dúvida, foi mais do que um pintor oficial da nobreza, também atuou com muita competência na fundação da Academia Imperial de Belas-Artes do Rio de Janeiro, contribuindo como professor, cumprindo desta forma, outro desejo do Príncipe D. João VI.

As fotografias também se tornam instrumentos importantes na análise de momentos históricos. É difícil encontrar alguma pessoa que fique impassível às terríveis imagens dos campos de concentração nazistas ou mais recentemente às inúmeras expressões de emoção capturadas no mundo inteiro pela câmera do talentoso fotógrafo Sebastião Salgado.

A imagem não é apenas um apêndice no estudo da história, um coadjuvante na interpretação de documentos escritos, ela pode ser o principal foco de atenção.

Desenhos, pinturas ou fotos podem ter sido elaborados de forma tendenciosa. No caso específico de Debret, são claros os traços da escola européia, que maquiaram nossa realidade, mas que o primordial é notar qual a intenção do autor e não simplesmente discernir se o que ele retrata é a pura expressão da verdade.

Para conhecer melhor os momentos históricos através da análise das gravuras, em ação conjunta dos professores de História e Arte, divida a classe em grupos.

Dentro do tema que estiver sendo discutido na sala de aula, solicite aos alunos que selecionem fotos ou gravuras sobre o assunto. A pesquisa pode ser feita no próprio livro didático de História, que geralmente é ricamente ilustrado ou com fotos da internet como estas, sobre:


• 1º Grupo: indígenas


Índio prepara-se para um ritual de festa e religiosidade.
Soldados índios escoltando selvagens.
Gravuras de Jean-Baptiste Debret.


• 2º Grupo: escravidão


Açoite de escravos.
Gravura de Jean-Baptiste Debret, início do sec. XIX.


• 3º Grupo: família real


Aclamação de D. João VI no Rio de Janeiro.
Aquarela de Jean-Baptiste Debret, início do séc. XIX


• 4º Grupo: períodos da história: Colonial, Imperial e Republicano


Jantar (família rica)
Aquarela de Jean-Baptiste Debret, início do séc. XIX.


• 5º Grupo: D. Pedro II


Aclamação a Dom Pedro II no episódio da Maioridade.
Gravura de Debret.
O caderno de Toquinho e Mutinho,
Companhia Editora Nacional

(Coleção Mundo da Criança. Série Músicas para Ler).

http://eaprender.com.br/tiki-smartpages_view.php?pageId=1200

Obrigado por sua visita, volte sempre.

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Você sabe, o que é Apostilamento de diploma. (CNS/CES).

Gostaria de falar com os estudantes de pedagogia como eu, que existe o apostilamento de diplomas. Uma vez na aula de legislação educacional, nosso professor falou sobre o apostilamento de diplomas. Mas o que vem a ser este ato.
Apostilamento de diplomas
É o registro feito no diploma quando o aluno apresenta conclusão de estudos adicionais.
O apostilamento de estudos adicionais de cursos concluídos antes da Lei Federal n.º 7044/82, deve ser feito pela Secretaria de Estado de Educação.
O apostilamento de estudos adicionais em diplomas de cursos concluídos depois da Lei Federal n.º 7044/82, deve ser feito pela escola que ofereceu o curso.
Documentos necessários: Diploma, histórico escolar.
Endereços das Superintendências

Apostilamento de Diploma Pedagogia
Vamos dar um ex.: Você que cursou bacharelado em pedagogia, pela nova lei de diretrizes, se você passar em um concurso público para a vaga de professor não poderá assumir o cargo. Gostaria de contar um caso verídico que aconteceu comigo.
Eu part…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…